Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

EUA e Rússia negociam diretamente com rebeldes sobre transição na Síria

Estados Unidos e Rússia estão negociando diretamente com os rebeldes sobre uma hipotética transição na Síria, onde ambas partes ainda não se colocaram de acordo sobre o futuro do presidente sírio, Bashar al Assad, disse nesta segunda-feira à Agência Efe o dirigente opositor Abu Zuheir al Shami.


EFE

O líder da Sala de Operações de Damasco e sua periferia do Exército Livre Sírio (ELS) explicou pela internet que "as verdadeiras negociações sobre o futuro da Síria estão se desenvolvendo sobre o terreno, longe de Genebra".


Bairro de Damasco após bombardeio. EFE/EPA/Mohammed Badra
Bairro de Damasco após bombardeio. EFE/EPA/Mohammed Badra

Shami relatou que nos últimos dias houve contatos entre representantes russos e americanos e líderes da oposição armada para preparar a conferência de Sochi, proposta por Moscou e cuja data ainda não foi definida, embora se espera que aconteça no final de dezembro.

O dirigente opositor reforçou que a oposição rejeita "categoricamente" que Assad continue no poder e que desempenhe qualquer papel no futuro da Síria.

"Antes de ir a Sochi, os americanos propuseram Ali Mamluk para liderar o período transitório, mas nós o rejeitámos porque não queremos alguém que tenha as mãos manchadas de sangue ", disse Shami, em referência a uma possível liderança do diretor da Segurança Nacional da Síria (serviços secretos).

Shami destacou que, após esta negativa, "os russos buscaram a um substituto que a oposição respeite e propuseram Faruk al Chara (vice-presidente sírio) como líder da fase transitória", o que foi aceito pelos opositores.

No entanto, o dirigente do ELS apontou que as conversas agora estão bloqueadas porque Rússia e Irã exigem que os rebeldes entreguem as armas para iniciar uma transição encabeçada por Chara e realizar, ao final de seis meses, eleições presidenciais "nas quais Assad poderá apresentar-se como candidato".

"Como vou entregar as armas para que depois Assad possa ser reeleito ao final de seis meses como candidato nas presidenciais?", questionou.

Em consequência, Shami transmitiu aos russos sua recusa a aceitar este plano, e está à espera de uma resposta por parte de Moscou, embora não tenha esperanças de que seja positiva.

"Assim não iremos a Sochi, tem que haver uma proposta diferente", antecipou Shami.

Estes contatos coincidem com a oitava rodada de conversas em Genebra, promovidas pela ONU e que ficou paralisada há pouco mais de uma semana pela saída da delegação do governo de Damasco, em protesto pela exigência da oposição de que Assad deve sair do poder.

Em princípio, a equipe negociadora do Executivo sírio deveria ter retornado ontem à Suíça para retomar o diálogo, tal como anunciou o Ministério de Relações Exteriores sírio no último dia 7.


Postar um comentário