Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

EUA tinham 'esquema engenhoso' de entregar armas ao Daesh

O exército sírio encontrou armamentos de fabricação estadunidense nos armazéns do Daesh, organização terrorista proibida na Rússia. O especialista Semyon Bagdasarov afirmou que estes fornecimentos vieram à tona porque a situação na Síria começou a se desenvolver de modo contrário ao esperado por Washington.


Sputnik

Ontem (30), a agência SANA comunicou, citando uma fonte anônima, que os militares sírios encontraram armas americanas e europeias em várias regiões da província de Deir ez-Zor libertadas do Daesh.


Armazéns de armas de terroristas encontrados em Deir ez-Zor
Armazém de armas de terroristas encontrado em Deir ez-Zor © Sputnik/ Morad Saeed

Assim, um dos comandantes de campo informou que tinham sido achados armamentos ligeiros e pesados nas áreas de al-Ashara, Sbeikhan e al-Salyhia, no sudeste da província de Deir ez-Zor. Entre eles, foram encontradas centenas de munições e armas produzidas nos países ocidentais.

Mais cedo, uma fonte militar síria que participou da operação de libertação da província havia relatado à Sputnik que nos armazéns dos terroristas do Daesh tinha sido encontrado grande número de armas, inclusive fuzis, sistemas antitanque e canhões de fabricação estadunidense e israelense.

Já em outubro, militares do exército sírio mostraram armamentos estadunidenses, belgas, britânicos e israelenses achados na cidade de al-Mayadin.

Os militares frisam que os radicais na Síria obtêm armamentos comprados através do programa do Pentágono de ajuda aos aliados.

O diretor do Centro de Estudos do Oriente Médio e Ásia Central, Semyon Bagdasarov, disse ao serviço russo da Rádio Sputnik que os estadunidenses tinham um "esquema engenhoso" para entregar armamentos e equipamentos ao Daesh.

"O fato dos norte-americanos terem fornecido armamentos ao Daesh não é segredo nenhum. O esquema das suas ações era o seguinte: os estadunidenses partiam do princípio que havia uma organização chamada Daesh, apoiada por uma série de tribos nômadas sunitas na província de Deir ez-Zor, em Raqqa, e se fornecessem armas a estas tribos, cedo ou tarde o Daesh tomaria Damasco e, quando isto sucedesse, seria possível simplesmente "comprar" a cidade. Era este o esquema engenhoso. Mas, depois, as coisas não resultaram de forma tão simples. Foi só naquele momento que os americanos entenderam que deviam fazer algo completamente diferente", resumiu o analista.


Postar um comentário