Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Forças da segurança do Congo matam ao menos 7 pessoas em protestos contra o governo

Forças da segurança da República Democrática do Congo mataram ao menos sete pessoas neste domingo durante protestos contra a recusa do presidente Joseph Kabila em deixar o cargo, de acordo com a política e grupos de direitos humanos.


Por Aaron Ross | Reuters

KINSHASA (Reuters) - Três pessoas foram mortas em discussões com as forças de segurança na capital, Kinshasa, disse o porta-voz da política, Pierrot Mwanamputu.


media
Veículo de patrulha em Kinshasa | Junior D. KANNAH / AFP

Ativistas católicos haviam convocado os protestos após a missa deste domingo, um ano após Kabila se comprometer a realizar uma eleição para escolher seu sucessor até o final de 2017 –-uma eleição que agora foi adiada até dezembro de 2018.

O adiamento alimentou suspeitas de que Kabila tentará eliminar limites constitucionais de mandato que o proíbem de concorrer novamente. Isso por sua vez aumentou temores de que o país volte ao tipo de guerra civil que matou milhões na virada do século.

Florence Marchal, porta-voz da missão de paz da ONU no Congo, disse que forças de segurança haviam matado a tiros pelo menos sete pessoas em Kinshasa. Outra pessoas foi morta em um protesto na cidade de Kananga, diss ela, embora a causa da morte ainda não esteja clara.

Observadores da ONU documentaram ao menos 123 prisões no país, acrescentou Marchal.

A polícia proibiu manifestações e disse que todas os encontros de mais de cinco pessoas serão dispersados para garantir ordem pública. Em Kinshasa, a polícia e soldados realizaram buscas em veículos e checaram identidades de passageiros.


Postar um comentário