Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Oficial americano joga culpa para Israel pelo ataque às forças sírias

No domingo (17), a mídia síria relatou ataque ao povoado sírio Al-Harra, província de Deir ez-Zor, na fronteira com o Iraque, supostamente realizado pela coalizão internacional, liderada pelos EUA, tendo como alvo forças governamentais. Porém, um oficial americano culpou Israel pelo ataque.
Sputnik

Anteriormente, uma fonte militar relatou à mídia síria que drones "provavelmente americanos" bombardearam Al-Harra, entre Abu Kamal e Al-Tanf.

Segundo dados das Forças de Mobilização Popular iraquianas, o ataque matou 22 soldados iraquianos. O Observatório Sírio de Direitos Humanos, por sua vez, disse que o número total de vítimas corresponde a 52 pessoas, citado pelo Haaretz.

"Entre [os mortos] estão ao menos 30 militares iraquianos e 16 sírios, incluindo soldados e membros da milícia leal ao governo", afirmou à mídia o chefe do Observatório Sírio, Rami Abdel Rahman.

Comentando a notícia, o porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Adrian Rankine-Galloway, descartou que W…

Forças da segurança do Congo matam ao menos 7 pessoas em protestos contra o governo

Forças da segurança da República Democrática do Congo mataram ao menos sete pessoas neste domingo durante protestos contra a recusa do presidente Joseph Kabila em deixar o cargo, de acordo com a política e grupos de direitos humanos.


Por Aaron Ross | Reuters

KINSHASA (Reuters) - Três pessoas foram mortas em discussões com as forças de segurança na capital, Kinshasa, disse o porta-voz da política, Pierrot Mwanamputu.


media
Veículo de patrulha em Kinshasa | Junior D. KANNAH / AFP

Ativistas católicos haviam convocado os protestos após a missa deste domingo, um ano após Kabila se comprometer a realizar uma eleição para escolher seu sucessor até o final de 2017 –-uma eleição que agora foi adiada até dezembro de 2018.

O adiamento alimentou suspeitas de que Kabila tentará eliminar limites constitucionais de mandato que o proíbem de concorrer novamente. Isso por sua vez aumentou temores de que o país volte ao tipo de guerra civil que matou milhões na virada do século.

Florence Marchal, porta-voz da missão de paz da ONU no Congo, disse que forças de segurança haviam matado a tiros pelo menos sete pessoas em Kinshasa. Outra pessoas foi morta em um protesto na cidade de Kananga, diss ela, embora a causa da morte ainda não esteja clara.

Observadores da ONU documentaram ao menos 123 prisões no país, acrescentou Marchal.

A polícia proibiu manifestações e disse que todas os encontros de mais de cinco pessoas serão dispersados para garantir ordem pública. Em Kinshasa, a polícia e soldados realizaram buscas em veículos e checaram identidades de passageiros.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas