Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Hamas pede que pessoas livres "assediem" embaixadas dos EUA no mundo

O movimento islamita Hamas pediu nesta sexta-feira que o mundo "assedie" as embaixadas dos Estados Unidos no mundo todo em represália ao reconhecimento por parte do presidente Donald Trump de Jerusalém como capital de Israel.


EFE

"Chamamos o povo livre do mundo a assediar as embaixadas dos EUA no mundo todo, até que Trump retire sua declaração", afirmou hoje o vice-chefe do movimento na Cidade de Gaza, Khalil al Hayah.


EFE/Abed Al Hashlamoun
EFE/Abed Al Hashlamoun

"A nossa revolução na Palestina e no exterior não cessará até que retifique sua declaração", insistiu.

Trump anunciou no último dia 6, em discurso televisionado desde a Casa Branca, sua decisão de transferir a Embaixada americana de Tel Aviv a Jerusalém, que foi seguida por protestos na região além da rejeição diplomática de múltiplos países.

"A decisão será confrontada com a unidade e com a luta de nossos jovens contra as forças da ocupação em todos os territórios palestinos", prometeu o dirigente islamita.

Hoje foi convocada uma nova jornada de protestos e ocorreram pequenos confrontos em Jerusalém com a polícia.

Apesar de as manifestações palestinas se repetirem quase diariamente, a intensidade foi menor do que em crises passadas e não se pode dizer que as chamadas a uma Terceira Intifada do líder do Hamas, Ismail Haniya, tenham tomado forma no terreno.

Mesmo assim, o aumento da tensão e os confrontos com as forças de segurança israelenses provocaram dois mortos (em Gaza) e 500 feridos.

Além disso, neste período, milicianos em Gaza lançaram mais de 15 projéteis contra Israel, quatro dos quais foram interceptados, outros oito caíram em solo israelense sem provocar vítimas e um número indeterminado caíram na Faixa de Gaza.

Estes provocaram a resposta de bombardeios do Exército, nos quais dois palestinos morreram.


Postar um comentário