Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Índia-Paquistão: mais de 50 civis mortos em confrontos na Caxemira em 2017

Segundo anúncio feito nesta quinta-feira (28), o número de violações de direitos contra civis aumentou, violando a trégua acordada entre os países desde 2003.


Sputnik

O número de violações do cessar-fogo entre o Paquistão e a Índia na disputa pelo estado de Jammu e Caxemira aumentou visivelmente, em 2017, com mais de 50 civis mortos em confrontos armados ao longo do ano, segundo afirmou nesta quinta-feira (28) o major general Asif Ghafoor, porta-voz das Forças Armadas do Paquistão.


Um aldeão indiano, supostamente ferido por explosivos do Paquistão, recebe tratamento em um hospital em Jammu, Índia, 1 de novembro de 2016
© AP Photo/ Channi Anand

Este ano, "52 civis foram vítimas de 1.813 violações do cessar-fogo, enquanto outros 254 foram feridos", disse Ghafoor em entrevista coletiva.

O porta-voz refutou as afirmações da Índia de que o Paquistão manteve uma presença militar em Caxemira.

"Nós apoiamos e continuaremos a prestar apoio político, diplomático e moral aos irmãos da Caxemira. Você não poderá nos atrair para essas aventuras não profissionais que têm o objetivo de reforçar alegações de suposta interferência da nossa parte nos assuntos da área ocupada da Caxemira", afirmou Ghafoor.

A região de Jammu e Caxemira é disputada entre a Índia e o Paquistão desde o fim do governo britânico em 1947. Após vários conflitos armados, os dois países concordaram em um cessar-fogo em 2003. Desde então, ambos os lados se acusaram repetidamente de violar a trégua, com a contínua instabilidade na região, levando ao surgimento de vários grupos extremistas.


Postar um comentário