Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Oficial americano joga culpa para Israel pelo ataque às forças sírias

No domingo (17), a mídia síria relatou ataque ao povoado sírio Al-Harra, província de Deir ez-Zor, na fronteira com o Iraque, supostamente realizado pela coalizão internacional, liderada pelos EUA, tendo como alvo forças governamentais. Porém, um oficial americano culpou Israel pelo ataque.
Sputnik

Anteriormente, uma fonte militar relatou à mídia síria que drones "provavelmente americanos" bombardearam Al-Harra, entre Abu Kamal e Al-Tanf.

Segundo dados das Forças de Mobilização Popular iraquianas, o ataque matou 22 soldados iraquianos. O Observatório Sírio de Direitos Humanos, por sua vez, disse que o número total de vítimas corresponde a 52 pessoas, citado pelo Haaretz.

"Entre [os mortos] estão ao menos 30 militares iraquianos e 16 sírios, incluindo soldados e membros da milícia leal ao governo", afirmou à mídia o chefe do Observatório Sírio, Rami Abdel Rahman.

Comentando a notícia, o porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Adrian Rankine-Galloway, descartou que W…

Índia-Paquistão: mais de 50 civis mortos em confrontos na Caxemira em 2017

Segundo anúncio feito nesta quinta-feira (28), o número de violações de direitos contra civis aumentou, violando a trégua acordada entre os países desde 2003.


Sputnik

O número de violações do cessar-fogo entre o Paquistão e a Índia na disputa pelo estado de Jammu e Caxemira aumentou visivelmente, em 2017, com mais de 50 civis mortos em confrontos armados ao longo do ano, segundo afirmou nesta quinta-feira (28) o major general Asif Ghafoor, porta-voz das Forças Armadas do Paquistão.


Um aldeão indiano, supostamente ferido por explosivos do Paquistão, recebe tratamento em um hospital em Jammu, Índia, 1 de novembro de 2016
© AP Photo/ Channi Anand

Este ano, "52 civis foram vítimas de 1.813 violações do cessar-fogo, enquanto outros 254 foram feridos", disse Ghafoor em entrevista coletiva.

O porta-voz refutou as afirmações da Índia de que o Paquistão manteve uma presença militar em Caxemira.

"Nós apoiamos e continuaremos a prestar apoio político, diplomático e moral aos irmãos da Caxemira. Você não poderá nos atrair para essas aventuras não profissionais que têm o objetivo de reforçar alegações de suposta interferência da nossa parte nos assuntos da área ocupada da Caxemira", afirmou Ghafoor.

A região de Jammu e Caxemira é disputada entre a Índia e o Paquistão desde o fim do governo britânico em 1947. Após vários conflitos armados, os dois países concordaram em um cessar-fogo em 2003. Desde então, ambos os lados se acusaram repetidamente de violar a trégua, com a contínua instabilidade na região, levando ao surgimento de vários grupos extremistas.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas