Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Irã condena decisão de mudança embaixada dos EUA para Jerusalém

A República Islâmica do Irã, condenou energicamente a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de transferir a embaixada do seu país de Tel Aviv para Jerusalém e pediu à comunidade internacional para impedir a aplicação dessa decisão.


EFE

O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati, disse hoje que com esta decisão "imprudente", Trump ignora o direito histórico do povo palestino e é "uma clara violação das resoluções internacionais", informou a agência oficial iraniana de notícias "Irna".


O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati. EFE/Nabil Mounzer
O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati. EFE/Nabil Mounzer

Velayati qualificou Trump de pessoa "instável e inconsciente em questões políticas e históricas", e assegurou que Jerusalém "vai continuar pertencendo aos palestinos".

"Donald Trump fala da adesão aos compromissos pelo governo dos EUA como via de paz, enquanto numa medida inclinada anuncia Jerusalém como a capital do regime sionista ocupante e assassino de crianças", criticou Velayati.

O Ministério de Assuntos Exteriores iraniano em comunicado emitido ontem à noite condenou "energicamente esta medida dos EUA" e pediu à comunidade internacional, aos países influentes e sobretudo aos islâmicos que impeçam a aplicação desta medida que "somente beneficia o regime sionista".

A nota ressaltou que "o principal motivo do colapso da estabilidade e segurança no Oriente Médio é a continuidade da ocupação".

Com o armistício de 1949, que pôs fim à Guerra árabe-israelense, a cidade santa ficou dividida: Jerusalém Oriental - com a Cidade Velha e os lugares sagrados - sob administração da Jordânia e o Jerusalém Ocidental, sob controle de Israel.

Em 1967, com a Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou Jerusalém Oriental (assim como Cisjordânia, Gaza, Sinai egípcio e as Colinas de Golã sírias), um avanço ao qual a ONU reagiu com a resolução 2253, que declarou ilegais todas as atividades de Israel na parte oriental e reivindicou que cessassem imediatamente.

Os palestinos reivindicam Jerusalém Oriental como capital do seu futuro Estado independente.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas