Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Mais 2 palestinos morrem após ataque israelense na Faixa de Gaza

Total de mortos chega a 4 após Israel atacar a Faixa de Gaza e atingir militantes do Hamas; confrontos começaram após Donald Trump reconhecer Jerusalém como capital israelense.
Por G1

Mais dois palestinos morreram neste sábado (9) em um ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza contra alvos do movimento palestino Hamas. A Defesa de Israel disse que o bombardeio foi uma resposta a um foguete lançado pelo Hamas na sexta-feira. Os confrontos começaram após o presidente norte-americano, Donald Trump, reconhecer Jerusalém como a capital israelense nesta semana.

"Na manhã de sábado, equipes de resgate encontraram os corpos de dois palestinos que morreram em ataques aéreos israelenses na noite passada no norte da Faixa de Gaza", disse o porta-voz Ashraf Al Qedra.

Com essas duas mortes, subiu para quatro o número de palestinos mortos desde a última sexta-feira (8). Já são mais de 300 feridos desde que o grupo islâmico voltou a atacar Israel, após a decisão do governo americano, tomada na…

Irã condena decisão de mudança embaixada dos EUA para Jerusalém

A República Islâmica do Irã, condenou energicamente a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de transferir a embaixada do seu país de Tel Aviv para Jerusalém e pediu à comunidade internacional para impedir a aplicação dessa decisão.


EFE

O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati, disse hoje que com esta decisão "imprudente", Trump ignora o direito histórico do povo palestino e é "uma clara violação das resoluções internacionais", informou a agência oficial iraniana de notícias "Irna".


O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati. EFE/Nabil Mounzer
O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati. EFE/Nabil Mounzer

Velayati qualificou Trump de pessoa "instável e inconsciente em questões políticas e históricas", e assegurou que Jerusalém "vai continuar pertencendo aos palestinos".

"Donald Trump fala da adesão aos compromissos pelo governo dos EUA como via de paz, enquanto numa medida inclinada anuncia Jerusalém como a capital do regime sionista ocupante e assassino de crianças", criticou Velayati.

O Ministério de Assuntos Exteriores iraniano em comunicado emitido ontem à noite condenou "energicamente esta medida dos EUA" e pediu à comunidade internacional, aos países influentes e sobretudo aos islâmicos que impeçam a aplicação desta medida que "somente beneficia o regime sionista".

A nota ressaltou que "o principal motivo do colapso da estabilidade e segurança no Oriente Médio é a continuidade da ocupação".

Com o armistício de 1949, que pôs fim à Guerra árabe-israelense, a cidade santa ficou dividida: Jerusalém Oriental - com a Cidade Velha e os lugares sagrados - sob administração da Jordânia e o Jerusalém Ocidental, sob controle de Israel.

Em 1967, com a Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou Jerusalém Oriental (assim como Cisjordânia, Gaza, Sinai egípcio e as Colinas de Golã sírias), um avanço ao qual a ONU reagiu com a resolução 2253, que declarou ilegais todas as atividades de Israel na parte oriental e reivindicou que cessassem imediatamente.

Os palestinos reivindicam Jerusalém Oriental como capital do seu futuro Estado independente.


Postar um comentário