Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Irã condena decisão de mudança embaixada dos EUA para Jerusalém

A República Islâmica do Irã, condenou energicamente a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de transferir a embaixada do seu país de Tel Aviv para Jerusalém e pediu à comunidade internacional para impedir a aplicação dessa decisão.


EFE

O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati, disse hoje que com esta decisão "imprudente", Trump ignora o direito histórico do povo palestino e é "uma clara violação das resoluções internacionais", informou a agência oficial iraniana de notícias "Irna".


O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati. EFE/Nabil Mounzer
O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati. EFE/Nabil Mounzer

Velayati qualificou Trump de pessoa "instável e inconsciente em questões políticas e históricas", e assegurou que Jerusalém "vai continuar pertencendo aos palestinos".

"Donald Trump fala da adesão aos compromissos pelo governo dos EUA como via de paz, enquanto numa medida inclinada anuncia Jerusalém como a capital do regime sionista ocupante e assassino de crianças", criticou Velayati.

O Ministério de Assuntos Exteriores iraniano em comunicado emitido ontem à noite condenou "energicamente esta medida dos EUA" e pediu à comunidade internacional, aos países influentes e sobretudo aos islâmicos que impeçam a aplicação desta medida que "somente beneficia o regime sionista".

A nota ressaltou que "o principal motivo do colapso da estabilidade e segurança no Oriente Médio é a continuidade da ocupação".

Com o armistício de 1949, que pôs fim à Guerra árabe-israelense, a cidade santa ficou dividida: Jerusalém Oriental - com a Cidade Velha e os lugares sagrados - sob administração da Jordânia e o Jerusalém Ocidental, sob controle de Israel.

Em 1967, com a Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou Jerusalém Oriental (assim como Cisjordânia, Gaza, Sinai egípcio e as Colinas de Golã sírias), um avanço ao qual a ONU reagiu com a resolução 2253, que declarou ilegais todas as atividades de Israel na parte oriental e reivindicou que cessassem imediatamente.

Os palestinos reivindicam Jerusalém Oriental como capital do seu futuro Estado independente.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas