Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Irã condena decisão de mudança embaixada dos EUA para Jerusalém

A República Islâmica do Irã, condenou energicamente a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de transferir a embaixada do seu país de Tel Aviv para Jerusalém e pediu à comunidade internacional para impedir a aplicação dessa decisão.


EFE

O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati, disse hoje que com esta decisão "imprudente", Trump ignora o direito histórico do povo palestino e é "uma clara violação das resoluções internacionais", informou a agência oficial iraniana de notícias "Irna".


O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati. EFE/Nabil Mounzer
O conselheiro em assuntos internacionais do líder supremo iraniano, Ali Akbar Velayati. EFE/Nabil Mounzer

Velayati qualificou Trump de pessoa "instável e inconsciente em questões políticas e históricas", e assegurou que Jerusalém "vai continuar pertencendo aos palestinos".

"Donald Trump fala da adesão aos compromissos pelo governo dos EUA como via de paz, enquanto numa medida inclinada anuncia Jerusalém como a capital do regime sionista ocupante e assassino de crianças", criticou Velayati.

O Ministério de Assuntos Exteriores iraniano em comunicado emitido ontem à noite condenou "energicamente esta medida dos EUA" e pediu à comunidade internacional, aos países influentes e sobretudo aos islâmicos que impeçam a aplicação desta medida que "somente beneficia o regime sionista".

A nota ressaltou que "o principal motivo do colapso da estabilidade e segurança no Oriente Médio é a continuidade da ocupação".

Com o armistício de 1949, que pôs fim à Guerra árabe-israelense, a cidade santa ficou dividida: Jerusalém Oriental - com a Cidade Velha e os lugares sagrados - sob administração da Jordânia e o Jerusalém Ocidental, sob controle de Israel.

Em 1967, com a Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou Jerusalém Oriental (assim como Cisjordânia, Gaza, Sinai egípcio e as Colinas de Golã sírias), um avanço ao qual a ONU reagiu com a resolução 2253, que declarou ilegais todas as atividades de Israel na parte oriental e reivindicou que cessassem imediatamente.

Os palestinos reivindicam Jerusalém Oriental como capital do seu futuro Estado independente.


Comentários

Postagens mais visitadas