Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Novas incursões sauditas matam 5 civis iemenitas em Hudaydah

Pelo menos cinco civis foram mortos e vários outros ficaram feridos quando caças da Arábia Saudita realizaram uma série de ataques aéreos contra um bairro residencial na província costeira de Hudaydah, no Iêmen, enquanto o regime de Riad continua com sua campanha de bombardeio contra seu vizinho empobrecido.
Pars Today

Fontes locais, falando sob condição de anonimato, disseram à rede de televisão al-Masirah que aviões militares sauditas lançaram três ataques aéreos contra uma área no distrito de al-Hali, localizada a 150 quilômetros a sudoeste da capital Sana, na quinta-feira. tarde.


As fontes acrescentaram que cinco pessoas perderam a vida nos ataques, enquanto outras sofreram ferimentos.

Durante o dia, aviões de guerra sauditas atingiram o aeroporto de Sa'ada e a base militar de Kahlan, situada a 3 quilômetros a nordeste da cidade montanhosa do noroeste de Saada, com bombas de fragmentação.

Marinha do Vietnã faz o 1º lançamento de um míssil desde um submarino submerso

Aconteceu na sexta-feira passada (22.12).


Por Roberto Lopes | Poder Naval

Durante uma longa reportagem sobre o 73º aniversário de fundação do Exército Popular do Vietnã, o telejornal das 7 da noite da emissora VTV-1, de Hanói, noticiou, pela primeira vez, o disparo do míssil de procedência russa Club-S 3M-54E, a partir de um dos (seis) novos submarinos classe Kilo, adquiridos à Rússia pela Marinha do Povo Vietnamita (Hải quân nhân dân Việt Nam).


Reprodução

A matéria da VTV ressaltou: parte das forças navais vietnamitas – “os punhos do mar” – constituem a força de dissuasão da Marinha “diante de forças hostis lá fora”. E os “punhos” mais proeminentes são os mísseis de cruzeiro 3M-54E, que vem sendo instalados na moderna classe Kilo de submarinos de ataque diesel-elétricos.

Segundo os registros do Instituto Internacional de Pesquisa Para a Paz de Estocolmo, em 2009 o governo de Hanói encomendou à indústria russa um lote de 40 mísseis de cruzeiro antinavio do modelo 3M-54E Club-S.

Na noite da última sexta, a VTV-1 informou que essas armas voam para seus alvos à velocidade de Mach 2.9, superando fases distintas.

Em um estágio inicial, o míssil irá se valer de uma impulsão de ar comprimido sob alta pressão a bordo do submarino, permitindo que ele saia pelo tubo lança-torpedos, emerja completamente e se distancie das ondas por alguns metros, antes que uma nova propulsão comece a queimar o combustível (sólido) do voo propriamente dito.

O vetor 3M-54E cortará os ares a uma altitude baixa, em torno dos 30 m acima da superfície do mar. A última etapa esse deslocamento geralmente começa quando o míssil se encontra a uns 15 km do alvo – distância que será coberta em não mais do que 20 segundos.

“Soberania no mar” 

A reportagem da tevê vietnamita sublinhou: “após cinco anos de desenvolvimento, as forças de superfície e submarinas da Marinha vietnamita alcançaram fortalecer a soberania nacional sobre o mar. Helicópteros antissubmarinos e hidroaviões da Força Aérea Naval operam dia e noite, contribuindo para garantir a salvaguarda das ilhas em mar aberto”.

A VTV-1 mencionou ainda, na noite da sexta, as fragatas classe Gepard e as corvetas porta-mísseis tipo Molniya (todas embarcações de construção russa), que a reportagem definiu como “os navios-capitânia da Marinha vietnamita”.

Nas imagens que mostraram o lançamento do míssil Club, corvetas Molniya são vistas disparando, de ambos os bordos, o míssil antinavio tipo Uran-E – variante de exportação do modelo russo de mísseis superfície-superfície Kh-35 –, cujo alcance, carregando uma ogiva de 145kg de alto teor explosivo, pode ser ajustado para distâncias de até 300 km.

Cada navio Molniya está apto a transportar até 16 vetores Uran-E.

Postar um comentário