Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Militar norte-americano explica ineficiência dos caças F-22 que operam na Síria

Devido à falta de dispositivos especiais nos caças norte-americanos F-22, os seus pilotos que operam nos céus da Síria são às vezes incapazes de acompanhar a atividade dos aviões russos, afirmou um militar norte-americano.


Sputnik

Os caças polivalentes de 5ª geração F-22 Raptor, da Força Aérea norte-americana, se revelam incapazes de monitorar eficazmente a atividade dos aviões da Força Aeroespacial russa na Síria, declarou o chefe da 95ª esquadrilha da Força Aérea dos EUA deslocada na base de Al Dhafra, nos Emirados Árabes Unidos. 


Caça F-22  da Força Aérea dos EUA
F-22 Raptor da USAF © AFP 2017/ USAF

Em uma entrevista ao jornal AviationWeek, o tenente-coronel, cujo nome não é citado, indicou que, em situações de aproximação de aeronaves russas, as tripulações da coalizão têm que identificá-las rapidamente.

Mas os F-22 não são dotados de sistemas óticos e de infravermelhos que permitam identificar as aeronaves à noite. O chefe da esquadrilha norte-americana disse ainda que os F-22 não possuem o sistema de ligação tática Link 16, que existe nos outros aviões norte-americanos. Assim, os pilotos dos F-22 são forçados a transmitir tudo o que veem por rádio.

O tenente-coronel reconheceu que qualquer situação de combate exige a reação mais rápida possível. Se referindo aos casos de aproximação de aviões da Força Aeroespacial russa, o chefe de esquadrilha dos EUA declarou que os pilotos norte-americanos têm tentado cooperar com os colegas russos através de um canal especial mas, na maioria dos casos, estes últimos não responderam.


Postar um comentário