Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Militar norte-americano explica ineficiência dos caças F-22 que operam na Síria

Devido à falta de dispositivos especiais nos caças norte-americanos F-22, os seus pilotos que operam nos céus da Síria são às vezes incapazes de acompanhar a atividade dos aviões russos, afirmou um militar norte-americano.


Sputnik

Os caças polivalentes de 5ª geração F-22 Raptor, da Força Aérea norte-americana, se revelam incapazes de monitorar eficazmente a atividade dos aviões da Força Aeroespacial russa na Síria, declarou o chefe da 95ª esquadrilha da Força Aérea dos EUA deslocada na base de Al Dhafra, nos Emirados Árabes Unidos. 


Caça F-22  da Força Aérea dos EUA
F-22 Raptor da USAF © AFP 2017/ USAF

Em uma entrevista ao jornal AviationWeek, o tenente-coronel, cujo nome não é citado, indicou que, em situações de aproximação de aeronaves russas, as tripulações da coalizão têm que identificá-las rapidamente.

Mas os F-22 não são dotados de sistemas óticos e de infravermelhos que permitam identificar as aeronaves à noite. O chefe da esquadrilha norte-americana disse ainda que os F-22 não possuem o sistema de ligação tática Link 16, que existe nos outros aviões norte-americanos. Assim, os pilotos dos F-22 são forçados a transmitir tudo o que veem por rádio.

O tenente-coronel reconheceu que qualquer situação de combate exige a reação mais rápida possível. Se referindo aos casos de aproximação de aviões da Força Aeroespacial russa, o chefe de esquadrilha dos EUA declarou que os pilotos norte-americanos têm tentado cooperar com os colegas russos através de um canal especial mas, na maioria dos casos, estes últimos não responderam.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas