Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Navio com submersível russo zarpa em busca do submarino argentino perdido

O navio da Marinha argentina Islas Malvinas zarpou do porto de Comodoro Rivadavia, na província argentina de Chubut, levando a bordo o veículo submarino operado remotamente Pantera Plus, que irá participar nas buscas do submarino desaparecido ARA San Juan.


Sputnik

O navio Islas Malvinas, de origem russa e propriedade da Marinha argentina, partiu em 1 de dezembro às 6h00 GMT (3h00, no horário de Brasília), disse a Sputnik.


O navio Islas Malvinas da Marinha argentina com o submersível russo Pantera Plus
O navio Islas Malvinas da Marinha argentina com o submersível russo Pantera Plus © FOTO: RUBÉN PALOMEQUE

O navio foi submetido a trabalhos de soldagem para adaptar os equipamentos russos.

Em 30 de novembro, as autoridades da Argentina decidiram suspender a operação de resgate dos 44 tripulantes do submarino San Juan, desaparecido há 16 dias no sul do Atlântico, e continuar apenas as buscas da embarcação no fundo do mar, disse em coletiva de imprensa o porta-voz da Marinha, Enrique Balbi.

Em 15 de novembro, o submarino ARA San Juan relatou sua última posição a 430 quilômetros do ponto mais próximo da costa da Península Valdés, no sudeste da Argentina, quando navegava nas águas do oceano Atlântico, tendo partido de Ushuaia com destino à base naval de Mar del Plata.

A Marinha argentina confirmou que no mesmo dia do desaparecimento se produziu um "evento consistente com explosão".

O submarino foi construído na Alemanha em 1983 e, dois anos mais trade, entrou em serviço da Marinha do país latino-americano. A embarcação estava operando pelo segundo ano depois de ter passado por uma reparação extensa entre 2007 e 2014.


Postar um comentário