Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Navio com submersível russo zarpa em busca do submarino argentino perdido

O navio da Marinha argentina Islas Malvinas zarpou do porto de Comodoro Rivadavia, na província argentina de Chubut, levando a bordo o veículo submarino operado remotamente Pantera Plus, que irá participar nas buscas do submarino desaparecido ARA San Juan.


Sputnik

O navio Islas Malvinas, de origem russa e propriedade da Marinha argentina, partiu em 1 de dezembro às 6h00 GMT (3h00, no horário de Brasília), disse a Sputnik.


O navio Islas Malvinas da Marinha argentina com o submersível russo Pantera Plus
O navio Islas Malvinas da Marinha argentina com o submersível russo Pantera Plus © FOTO: RUBÉN PALOMEQUE

O navio foi submetido a trabalhos de soldagem para adaptar os equipamentos russos.

Em 30 de novembro, as autoridades da Argentina decidiram suspender a operação de resgate dos 44 tripulantes do submarino San Juan, desaparecido há 16 dias no sul do Atlântico, e continuar apenas as buscas da embarcação no fundo do mar, disse em coletiva de imprensa o porta-voz da Marinha, Enrique Balbi.

Em 15 de novembro, o submarino ARA San Juan relatou sua última posição a 430 quilômetros do ponto mais próximo da costa da Península Valdés, no sudeste da Argentina, quando navegava nas águas do oceano Atlântico, tendo partido de Ushuaia com destino à base naval de Mar del Plata.

A Marinha argentina confirmou que no mesmo dia do desaparecimento se produziu um "evento consistente com explosão".

O submarino foi construído na Alemanha em 1983 e, dois anos mais trade, entrou em serviço da Marinha do país latino-americano. A embarcação estava operando pelo segundo ano depois de ter passado por uma reparação extensa entre 2007 e 2014.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas