Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares dos EUA prometem responder a possível ataque turco contra cidade síria de Manbij

Os militares norte-americanos prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade síria de Manbij à luz de uma possível operação turca na área, afirmou o comandante do Conselho Militar de Manbij, que faz parte das Forças Democráticas da Síria (FDS), Ebu Adil.
Sputnik

Em entrevista à Sputnik Turquia, Ebu Adil comentou a resposta dos EUA às preocupações expressas pelos representantes do Conselho Militar de Manbij devido a um possível ataque contra a cidade síria por parte de Ancara.


"Há dois anos, em conjunto com as forças da coalizão liderada pelos EUA, nós limpamos Manbij do Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. Desde então, na cidade se encontram forças da coalizão. Algum tempo atrás, nós falamos com os militares norte-americanos sobre um possível ataque da Turquia contra Manbij. Os militares dos EUA prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade, de onde quer que ele provenha", afirmou o comandante do conselho.

Além disso, ele …

Novas sanções da ONU são 'ato de guerra', diz Coreia do Norte

Ministério de Relações Exteriores disse em comunicado que medida é um 'bloqueio econômico completo' contra o país. Resolução proíbe quase 90% das exportações de produtos de petróleo refinado para o país.


Por G1

As novas sanções impostas pela Organização das Nações Unidas (ONU) contra a Coreia do Norte, no sábado (23), são um "ato de guerra e equivale a um bloqueio econômico completo contra o país", informou o Ministério das Relações Exteriores norte-coreano em um comunicado divulgado pela agência oficial de notícias KCNA neste domingo (24).

A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, durante votação do Conselho de Segurança para novas sanções contra a Coreia do Norte, na sexta-feira (22) (Foto: Reuters/Amr Alfiky)
A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, durante votação do Conselho de Segurança para novas sanções contra a Coreia do Norte, na sexta-feira (22) (Foto: Reuters/Amr Alfiky)

"Nós rejeitamos totalmente as últimas sanções da ONU como um ataque violento à soberania da nossa república e a um ato de guerra que destrói a paz e a estabilidade da península coreana e da região", afirmou a chancelaria da Coreia do Norte.

"Os Estados Unidos, completamente aterrorizados com os esforços para completar a força nuclear norte-coreana, estão cada vez mais frenéticos em impôr duras sanções e pressões sobre o nosso país", disse o Ministério.

O líder norte-coreano Kim Jong-Un proclamou em 29 de novembro que seu país se tornou um Estado nuclear operante depois de testar com sucesso um novo tipo de míssil que ele acredita poder atingir qualquer lugar nos Estados Unidos.

"Vamos continuar a consolidar a nossa defesa nuclear destinada a erradicar fundamentalmente as ameaças nucleares dos EUA, chantagem e movimentos hostis, estabelecendo o equilíbrio prático da força com os EUA", acrescentou o comunicado.

Novas sanções


O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas impôs unanimemente na sexta-feira (22) novas sanções sobre a Coreia do Norte após seu mais recente teste de míssil balístico intercontinental.

A resolução proíbe quase 90% de exportações de produtos de petróleo refinado para a Coreia do Norte ao limitá-las a 500 mil barris ao ano e, no que diplomatas disseram ter sido uma mudança de último minuto, exige a repatriação de norte-coreanos trabalhando no exterior dentro de 24 meses, ao invés dos 12 meses propostos inicialmente.

A resolução elaborada pelos Estados Unidos também irá limitar fornecimento de petróleo para a Coreia do Norte em 4 milhões de barris ao ano. Os EUA tem pedido para a China limitar seu fornecimento de petróleo para o país vizinho e aliado.

A resolução foi aprovada por 15 votos a 0, disse o embaixador do Japão na ONU. O Japão mantém a presidência do Conselho de Segurança neste mês.

Esta é a nona série de sanções particularmente duras da ONU contra Pyongyang. As últimas três foram adotadas em 2017, sob forte incentivo dos Estados Unidos, após os testes de mísseis e um teste nuclear realizados pela Coreia do Norte.

Postar um comentário