Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Novo míssil de cruzeiro russo Kh-50 revolucionará bombardeiros estratégicos do país

Apelidado como Kh-50, o míssil subsônico possui um alcance de mais de 1.500 quilômetros e conta com dispositivos de autoproteção.


Sputnik

A Rússia incorporará um novo míssil de cruzeiro, o Kh-50, no seu arsenal bélico para depois o instalar nos seus bombardeiros estratégicos. Esta informação foi comunicada pelo famoso jornalista militar polonês Piotr Butowski através do blog Jane's 360, com referência a fontes oficiais russas.


Kh-50 | Reprodução Twitter 

Trata-se de um míssil subsônico de última geração com autonomia de voo de mais de 1.500 quilômetros a velocidades entre 700 e 950 km/h. Ele é guiado por um sistema de navegação inercial corrigido pelo sistema de satélites russo GLONASS e um sistema de emparelhamento eletro-óptico garante sua máxima precisão.

Por outro lado, o desenho do Kh-50, caracterizado por uma seção transversal plana e lados facetados, minimiza a possibilidade de ser detectado por radares e maximiza o uso do espaço no compartimento do arsenal da aeronave.

Além disso, o míssil de cruzeiro de médio alcance tem seu próprio sistema de autodefesa, que consiste de uma estação de interferência eletrônica e iscas especiais rebocadas que criam alvos falsos nos radares inimigos.

O Kh-50 destina-se a ser carregado nos tambores rotativos especiais dos bombardeiros Tu-22M3, Tu-95MS e Tu-160, assegura Butowski.

O blogueiro acrescenta ainda que o míssil será incorporado ao serviço das Forças Armadas russas no âmbito do Programa de Armamentos do Estado para os anos 2018-2027.


Postar um comentário