Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Número de tropas da OTAN perto das fronteiras russas quadruplicou desde 2012

O contingente de tropas da OTAN, instaladas perto das fronteiras russas desde 2012, cresceu de 10 para 40 mil oficiais. Foi isso que o Ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, afirmou nesta sexta-feira (22), durante encontro do Ministério da Defesa com a participação do presidente da Rússia, Vladimir Putin.


Sputnik

Durante encontro, Sergei Shoigu indicou que o sistema antimíssil dos EUA na Europa atingiu o nível de "prontidão operacional inicial". Nos últimos cinco anos, o número de oficiais instalados perto das fronteiras da Rússia cresceu quatro vezes, de 10 mil para 40 mil.


Tanques da OTAN na Letônia, perto da fronteira com a Rússia
Blindados da OTAN na Letônia, próximo a fronteira com a Rússia © AP Photo/ Mindaugas Kulbis

"Nos países bálticos a na Polônia, estão instalados quatro grupos táticos, brigada blindada do exército dos EUA, sede da divisão multinacional da OTAN na Polônia e na Romênia", adicionou.

O ministro adicionou também que os países da OTAN vêm intensificando suas operações de vigilância perto da Rússia. “Nós decididamente impedimos quaisquer tentativas de violar as fronteiras aéreas e navais”, frisou Shoigu.

Além disso, o ministro afirmou que o exército russo é compacto e móvel, não "brande armas". Ao mesmo tempo, ele aconselhou que não testem capacidade de combate da Rússia.

"Hoje em dia o exército russo é moderno, móvel, compacto e possui alto poder de combate. Não brandimos armas e não desejamos entrar em guerra com ninguém. Ao mesmo tempo, não aconselhamos testas nossa defesa", advertiu Sergei Shoigu.

O ministro acrescentou que os militares russos estão determinados a manter o ritmo de modernização acelerado e aquisição de novo equipamento também no ano que vem. As Forças Armadas russas vão receber dez sistemas de defesa antimíssil S-400 e pôr em serviço 11 sistemas de mísseis Yars.

"A porcentagem de armas modernas no exército russo deve crescer 61% até o fim de 2018, inclusive 82% em forças nucleares estratégicas, 46% em tropas terrestres, 74% na Força Aeroespacial, 55% na Marinha."

As relações entre a Rússia e a OTAN vêm piorando significativamente desde 2014, quando a Aliança decidiu suspender a cooperação com Moscou devido à crise ucraniana desencadeada após o golpe de Estado em Kiev.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas