Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa russa: avião Il-20 foi derrubado por mísseis sírios S-200

De acordo com o ministério russo, o sistema de defesa aérea sírio tentava atacar um avião de Israel. No entanto, a tripulação israelense fez uma manobra especial para se proteger, e o míssil acabou atingindo acidentalmente o avião russo Il-20.
Sputnik

O avião Il-20 desapareceu dos radares em 17 de setembro, por volta das 23h do horário de Moscou, (17h em Brasília) durante o retorno planejado à base aérea de Hmeymim, acima do território do mar Mediterrâneo, a 35 quilômetros da costa da Síria, informou o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia. O represente oficial da Defesa russa, Igor Konashenkov sublinhou que os aviões israelenses "propositalmente criaram uma situação perigosa para navios e aviões nessa região".

Na opinião dele, para evitar o ataque sírio, a tripulação israelense acabou tornando o Ilyushin-20 alvo de ataque.

"Ao tentarem proteger-se com ajuda do avião russo, os pilotos israelenses o puseram debaixo de fogo do sistema de defesa antiaérea da Síria"…

Oficial dos EUA fala de 'jogos' aéreos entre pilotos soviéticos e norte-americanos

O tenente-coronel retirado da Força Aérea dos EUA Robert Sihler falou das manobras dos caças interceptores norte-americanos nos anos 1970. Segundo o militar, os aviões realizavam acrobacias aéreas ao lado dos bombardeiros estratégicos soviéticos.


Sputnik

Sihler contou ao portal The Aviationist que, em meados dos anos 70, aeronaves dos EUA interceptaram várias vezes aviões soviéticos Tu-95. Os aviões norte-americanos F-4 Phantom costumavam fazê-lo nas sextas-feiras e domingos, quando os bombardeiros soviéticos realizavam voos de treinamento de Murmansk a Cuba. 


Bombardeiro estratégico TU-95
Bombardeiro russo Tupolev Tu-95 Bear © Sputnik/ O. Grachev

Anteriormente, o portal compartilhou fotos feitas por Sihler durante uma manobra aérea chamada “barril” – uma rotação de 360° no eixo longitudinal do avião sem mudar a direção do voo.

​"Considerávamos aqueles voos como entretenimento. Costumávamos fazer 'barris' a pedido dos tripulantes soviéticos. Eles davam-nos sinais para fazermos acrobacias e tiravam fotos", lembrou o tenente-coronel.

Sihler destacou que as manobras não representavam perigo algum. Além disso, então a Guerra Fria estava diminuindo e as relações entre os militares melhoraram.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas