Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Opinião: Trump acabou com a hipocrisia do "processo de paz"

Presidente americano apenas reconheceu a realidade dos fatos: nenhum dos dois lados deseja a paz dentro de condições aceitáveis para ambos, afirma jornalista Rainer Hermann, do "Frankfurter Allgemeine Zeitung".


Rainer Hermann | Deutsch Welle

Há uma série de assuntos nos quais a hipocrisia está na ordem do dia. Eles incluem a discussão se a Turquia deve ser membro da União Europeia e o chamado processo de paz entre Israel e os palestinos. O primeiro tema se encerrou com a simples existência do presidente Recep Tayyip Erdogan. Quanto à segunda questão foi o presidente dos EUA, Donald Trump, quem pôs um fim à hipocrisia, nesta quarta-feira (06/12).


default
Mundo islâmico protestou contra a decisão de Trump, incluindo o Paquistão

Com o seu anúncio de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e transferir a embaixada americana para lá, ele simplesmente reconheceu a realidade dos fatos. Porém, também desencadeou um pequeno terremoto, que prejudicará também os interesses americanos.

Como empresário, Trump sabe que, após um fracasso e uma falência, há um recomeço. Então, como presidente, ele quer destruir o que acredita ter fracassado. Em sua opinião, isso inclui o chamado processo de paz entre Israel e os palestinos. Então, por que não tentar outra abordagem?

Afinal, nenhum dos dois atores jamais desejou nem deseja a paz dentro de condições aceitáveis para ambos. Em 2001 e 2007, os palestinos rejeitaram a devolução de 97% dos territórios ocupados, incluindo Jerusalém Oriental. Eles queriam tudo ou nada e agora estão de mãos vazias. Por sua vez, Israel povoou de forma consequente os territórios ocupados – criando uma nova situação. Sob o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o país não está disposto a mais nenhuma concessão. Israel quer tudo e, como parte mais forte, também fica com tudo – incluindo a embaixada americana em Jerusalém.

Trump provavelmente não sabe o que a sua decisão vai provocar no Oriente Médio. Pois ele seguiu apenas motivos políticos internos, cumprindo uma promessa feita a seus apoiadores evangélicos e ao poderoso lobby judaico. Mas, no Oriente Médio, ele fortalece o Irã, que – ao lado da Turquia – pode agora se sobressair como defensor dos interesses islâmicos.

Ainda não se sabe qual será o novo big deal após a destruição, após a "ruptura" provocada por Trump. Concretiza-se cada vez mais que o Egito disponibilizará parte do Sinai como "território substituto" para os palestinos. Isso certamente não irá pacificar a região, e talvez a solução será apenas mais uma paz que acabe com todas as pazes.


Comentários

Postagens mais visitadas