Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Opinião: Trump acabou com a hipocrisia do "processo de paz"

Presidente americano apenas reconheceu a realidade dos fatos: nenhum dos dois lados deseja a paz dentro de condições aceitáveis para ambos, afirma jornalista Rainer Hermann, do "Frankfurter Allgemeine Zeitung".


Rainer Hermann | Deutsch Welle

Há uma série de assuntos nos quais a hipocrisia está na ordem do dia. Eles incluem a discussão se a Turquia deve ser membro da União Europeia e o chamado processo de paz entre Israel e os palestinos. O primeiro tema se encerrou com a simples existência do presidente Recep Tayyip Erdogan. Quanto à segunda questão foi o presidente dos EUA, Donald Trump, quem pôs um fim à hipocrisia, nesta quarta-feira (06/12).


default
Mundo islâmico protestou contra a decisão de Trump, incluindo o Paquistão

Com o seu anúncio de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e transferir a embaixada americana para lá, ele simplesmente reconheceu a realidade dos fatos. Porém, também desencadeou um pequeno terremoto, que prejudicará também os interesses americanos.

Como empresário, Trump sabe que, após um fracasso e uma falência, há um recomeço. Então, como presidente, ele quer destruir o que acredita ter fracassado. Em sua opinião, isso inclui o chamado processo de paz entre Israel e os palestinos. Então, por que não tentar outra abordagem?

Afinal, nenhum dos dois atores jamais desejou nem deseja a paz dentro de condições aceitáveis para ambos. Em 2001 e 2007, os palestinos rejeitaram a devolução de 97% dos territórios ocupados, incluindo Jerusalém Oriental. Eles queriam tudo ou nada e agora estão de mãos vazias. Por sua vez, Israel povoou de forma consequente os territórios ocupados – criando uma nova situação. Sob o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o país não está disposto a mais nenhuma concessão. Israel quer tudo e, como parte mais forte, também fica com tudo – incluindo a embaixada americana em Jerusalém.

Trump provavelmente não sabe o que a sua decisão vai provocar no Oriente Médio. Pois ele seguiu apenas motivos políticos internos, cumprindo uma promessa feita a seus apoiadores evangélicos e ao poderoso lobby judaico. Mas, no Oriente Médio, ele fortalece o Irã, que – ao lado da Turquia – pode agora se sobressair como defensor dos interesses islâmicos.

Ainda não se sabe qual será o novo big deal após a destruição, após a "ruptura" provocada por Trump. Concretiza-se cada vez mais que o Egito disponibilizará parte do Sinai como "território substituto" para os palestinos. Isso certamente não irá pacificar a região, e talvez a solução será apenas mais uma paz que acabe com todas as pazes.


Postar um comentário