Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Para analista, avaliações dos EUA quanto às armas russas são objetivas

Os EUA avaliaram como a Rússia está se preparando para guerras do futuro. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o especialista militar, Boris Rozhin, comentou o estudo dos analistas norte-americanos.


Sputnik

O moderno exército russo aposta em técnicas táticas e tecnologias de ponta em vez de aumentar o número de soldados. Neste sentido, as Forças Armadas russas parecem com as dos EUA e da Alemanha, lê-se no estudo do centro analítico norte-americano Rand. As principais conclusões dos especialistas foram publicadas pela edição National Interest.


Militar durante o festival Exército da Rússia em Moscou (foto de arquivo)
Militar russo © Sputnik/ Ramil Sitdikov

Os especialistas notam que não há motivos para acreditar que a Rússia quer um conflito militar de grande escala, por isso, em seu estudo, os investigadores partiram do princípio que o objetivo principal do exército russo é a proteção de seu país, de grandes cidades e de centros industriais.

As reformas dos últimos anos, indicada na pesquisa, permitiram manter um alto poder de combate da maior parte das tropas terrestres do exército russo, reduzindo o número de efetivos.

Em caso de um conflito armado, as tropas russas vão tentar evitar uma batalha decisiva com forças equivalentes do inimigo, usando todo um leque de mísseis de longo alcance de base terrestre, aérea e marítima.

Nos combates terrestres, o exército russo usará lançadores múltiplos de foguetes que poderão efetuar ataques inesperados. Mas o trunfo de Moscou continuará sendo o seu arsenal nuclear, que a Rússia poderá ativar, ou ameaçar fazê-lo, em resposta a um ataque.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o especialista militar, Boris Rozhin, nomeou tais avaliações de objetivas.

"Lá, [nos EUA] há uma brecha: a propaganda política contra a Rússia exige descrevê-la como uma nação agressiva; contudo, quando analistas elaboram relatórios sobre as capacidades reais do exército russo, eles recebem os dados mais objetivos. As pesquisas apontam para o progresso da Rússia em questões de rearmamento e revelam suas capacidades reais, que não têm como objetivo realizar guerras agressivas contra a OTAN. É óbvio que a Rússia é inferior em número e em termos de recursos totais do que todos os integrantes da OTAN juntos. Mas a Rússia não visa se envolver em algum conflito armado, diferente da OTAN. A Rússia está cumprindo tarefas de defesa estratégica e de resposta adequada às ameaças militares, difundidos pelos EUA e pela OTAN em suas fronteiras ocidentais. Os países ocidentais compreendem isso. Eles reconhecem que o exército russo evoluiu drasticamente em comparação com as décadas de 90 e 2000, e suas avaliações são mais objetivas", assinalou Boris Rozhin.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas