Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Parlamentar revela que 'herança militar' a Rússia deixará na Síria após a guerra

O vice-presidente do Comitê de Defesa da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), Yury Shvytkin, indicou que forças a Rússia deixará na Síria após o fim do conflito.


Sputnik

"Planeja-se deixar ali as duas nossas bases militares, bem como o Centro para a Reconciliação. Aconteça o que acontecer, planeja-se que estas três instalações fiquem na Síria", afirmou o parlamentar.


Piloto russo no aeródromo de Hmeymim na Síria
Piloto e helicóptero militar russo em base aérea na Síria © Sputnik/ Dmitry Vinogradov

Shvytkin acrescentou que a cooperação entre a Rússia e a Síria, inclusive nos campos militar e social, continuará depois da saída das tropas russas do país árabe, pois Moscou não exclui a possibilidade de "incursões de diversos grupos do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia).

Ao mesmo tempo, o presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho de Federação (câmara alta do parlamento russo), Viktor Bondarev, disse que, após a derrota dos terroristas, as tropas sírias, apoiadas pela Força Aeroespacial russa, serão responsáveis por manter a ordem no país.

No fim de novembro, o presidente russo Vladimir Putin declarou, durante uma reunião com seu homólogo sírio Bashar Assad, que a operação militar na Síria se aproxima do fim.

De acordo com o vice-presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação, Frants Klintsevich, as declarações de Putin indicam que a operação militar será concluída antes do fim do ano. "Mas ainda é cedo para falar da retirada das Forças Armadas da Rússia. É necessário consolidar o sucesso e limpar o país das minas", acrescentou.

De acordo com o senador, o contingente da aviação e das tropas terrestres russas será reduzido.

Atualmente, Moscou tem no país árabe duas grandes instalações militares: a base aérea de Hmeymim e a base naval militar de Tartus, na costa do mar Mediterrâneo.


Comentários

Postagens mais visitadas