Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Político iraniano: Jerusalém nunca se tornará capital de Israel

Em 6 de dezembro, ao discursar na Casa Branca, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que reconhece Jerusalém como capital de Israel, incumbindo o Departamento de Estado de iniciar a transferência da embaixada estadunidense de Tel Aviv para Jerusalém. O político iraniano comentou a decisão do líder dos EUA em entrevista à Sputnik.


Sputnik

Hossein Sheikholeslam, chefe da organização iraniana Liberdade a Jerusalém Sagrada e ex-conselheiro do chanceler do Irã, acredita que tais ações de Trump demonstram que ele não quer a paz no Oriente Médio.


Bandeira israelense com a Cidade Velha de Jerusalém em fundo, 6 de dezembro de 2017
Bandeira israelense com a Cidade Velha de Jerusalém ao fundo © AP Photo/ Oded Balilty

Praticamente todos os países do mundo se expressam contra a transferência da capital israelense para Jerusalém, cidade sagrada para muitas religiões, e o Irã não é exceção, sublinhou o político.

"Por mais que Trump queira, isso não dará certo. Sim, talvez os EUA consigam transferir sua embaixada para Jerusalém, mas esta cidade nunca se tornará a capital de Israel", comentou Sheikholeslam à Sputnik Persa.

Segundo ele, com suas ações Trump apenas está desestabilizando a situação na região.

"Agora, quando acabamos de nos livrar do Daesh [grupo terrorista proibido na Rússia], é hora de criar e recuperar a paz e estabilidade. No entanto, os EUA estão esquentando uma nova caldeira de conflitos", opinou.

Praticamente todos os países muçulmanos ou de maioria muçulmana se expressaram contra o reconhecimento de Jerusalém sagrada como capital do estado judeu, pois tal passo apenas incitará a um conflito religioso. O Irã, afirma Sheikholeslam, compartilha a mesma opinião.

"É uma verdadeira traição, tanto em relação aos muçulmanos, como aos cristãos, da cidade sagrada de Jerusalém, o berço das religiões abraâmicas [judaísmo, cristianismo e islã]", disse o político, acrescentando que Jerusalém sempre foi e continuará sendo a capital da Palestina.

Vários países da África, América, Ásia e Europa, bem como diferentes organizações internacionais, já criticaram a decisão do governo norte-americano. Especialistas acreditam que a medida apenas criará novos problemas para os EUA no Oriente Médio, além de agravar conflito israelense-palestino.


Comentários

Postagens mais visitadas