Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Político iraniano: Jerusalém nunca se tornará capital de Israel

Em 6 de dezembro, ao discursar na Casa Branca, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que reconhece Jerusalém como capital de Israel, incumbindo o Departamento de Estado de iniciar a transferência da embaixada estadunidense de Tel Aviv para Jerusalém. O político iraniano comentou a decisão do líder dos EUA em entrevista à Sputnik.


Sputnik

Hossein Sheikholeslam, chefe da organização iraniana Liberdade a Jerusalém Sagrada e ex-conselheiro do chanceler do Irã, acredita que tais ações de Trump demonstram que ele não quer a paz no Oriente Médio.


Bandeira israelense com a Cidade Velha de Jerusalém em fundo, 6 de dezembro de 2017
Bandeira israelense com a Cidade Velha de Jerusalém ao fundo © AP Photo/ Oded Balilty

Praticamente todos os países do mundo se expressam contra a transferência da capital israelense para Jerusalém, cidade sagrada para muitas religiões, e o Irã não é exceção, sublinhou o político.

"Por mais que Trump queira, isso não dará certo. Sim, talvez os EUA consigam transferir sua embaixada para Jerusalém, mas esta cidade nunca se tornará a capital de Israel", comentou Sheikholeslam à Sputnik Persa.

Segundo ele, com suas ações Trump apenas está desestabilizando a situação na região.

"Agora, quando acabamos de nos livrar do Daesh [grupo terrorista proibido na Rússia], é hora de criar e recuperar a paz e estabilidade. No entanto, os EUA estão esquentando uma nova caldeira de conflitos", opinou.

Praticamente todos os países muçulmanos ou de maioria muçulmana se expressaram contra o reconhecimento de Jerusalém sagrada como capital do estado judeu, pois tal passo apenas incitará a um conflito religioso. O Irã, afirma Sheikholeslam, compartilha a mesma opinião.

"É uma verdadeira traição, tanto em relação aos muçulmanos, como aos cristãos, da cidade sagrada de Jerusalém, o berço das religiões abraâmicas [judaísmo, cristianismo e islã]", disse o político, acrescentando que Jerusalém sempre foi e continuará sendo a capital da Palestina.

Vários países da África, América, Ásia e Europa, bem como diferentes organizações internacionais, já criticaram a decisão do governo norte-americano. Especialistas acreditam que a medida apenas criará novos problemas para os EUA no Oriente Médio, além de agravar conflito israelense-palestino.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas