Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

'Principal inimigo': líder supremo do Irã promete 'decepcionar os EUA em todas as arenas'

O supremo líder iraniano, aiatolá Ali Khamenei, criticou o governo dos EUA, prometendo "decepcionar" o país, que ele qualificou de "inimigo principal" do Teerã, "em todas as arenas".


Sputnik

Segundo o aiatolá, as esperanças dos EUA que o Irã recue ou enfraqueça são "inúteis".


Líder supremo iraniano, Ali Khamenei, discursa em reunião em Teerã, Irã, outubro de 2017
Ali Khamenei, líder do Irã © AP Photo/ Sem credencial

O aiatolá acredita que a posição do atual presidente estadunidense em relação a Teerã não dará certo, porque "[o presidente dos EUA entre 1981 e 1989, Ronald] Reagan foi mais sábio e poderoso do que [o presidente atual Donald] Trump. Os norte-americanos tomaram medidas contra o Irã: eles derrubaram um dos nossos aviões de passageiros. Mas onde está Reagan, e quão poderosa é a República Islâmica agora?".

Deste modo, Khamenei comentou a tensão entre os dois países em 1988, quando um navio norte-americano abateu um avião comercial iraniano sobre o golfo Pérsico, matando 290 pessoas a bordo.

O aiatolá também acusou o governo dos Estados Unidos de apoiar o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia) e falou sobre a decisão controversa de Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel que provocou críticas na comunidade internacional.

Na opinião do líder supremo do Irã, a decisão em questão foi tomada "por desespero e debilidade", acrescentando que "suas mãos estão atadas e não podem alcançar seus objetivos" em relação à Palestina. 


A declaração foi feita após o parlamento iraniano ter votado a favor de anunciar Jerusalém como a "capital eterna da Palestina".

O voto "é uma resposta à recente decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel esperando dar um golpe nos muçulmanos", afirmou o presidente do parlamento do Irã, Ali Larijani, citado pela agência turca Anadolu.

Comentários

Postagens mais visitadas