Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Publicado VÍDEO de uma fuga em porta-aviões britânico com menos de um mês de serviço

Anteriormente, um porta-voz da Marinha Real do Reino Unido declarou que no porta-aviões Queen Elizabeth, o maior e mais poderoso da história do país, foi encontrada uma falha menos de um mês depois de ter entrado em serviço.


Sputnik

O canal do YouTube Weapons of the World publicou um vídeo do novo porta-aviões Queen Elizabeth, que mostra uma fuga que ocorreu no navio.


Os aviões ameicanos F/A-18E e F/A-18F Super Hornets sobrevoam o porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth durante as manobras Saxon Warrior no Atlântico, em 5 de agosot de 2017
F/A-18 Super Hornets da USAF sobrevoando o HMS Queen Elizabeth © REUTERS/ U.S. Navy/Capt. Jim McCall

O HMS Queen Elizabeth, o maior e mais poderoso porta-aviões da história do Reino Unido, experimentou uma falha menos de um mês depois de ter entrado em serviço. Entretanto, segundo o porta-voz da Marinha britânica, esse defeito "não o impede de voltar a navegar e não afetará seu programa de ensaios no mar".

O porta-aviões Queen Elizabeth, de 280 metros de comprimento e 75 de boca, tem 65 mil toneladas de deslocamento e pode alcançar uma velocidade máxima de 25 nós (46 km/h) sendo o maior navio de guerra alguma vez construído no Reino Unido. Seu design e construção foram aprovados em 1999 e seu custo total foi de cerca de 3,1 bilhões de libras esterlinas (US$ 4,2 bilhões ou R$ 13,6 bilhões).

O porta-aviões entrou em serviço em 7 de dezembro e espera-se que passe por várias provas durante os próximos anos.



Postar um comentário