Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Putin: Rússia continuará combatendo o terrorismo na Síria se for necessário

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou nesta segunda-feira (25) que o país continuará sua luta contra o terrorismo, inclusive no território sírio, se for necessário.


Sputnik

"Não há necessidade de um uso tão generalizado das forças armadas russas na Síria, como era antes, embora tenhamos duas bases, e nós, é claro, continuaremos a combater o terrorismo, incluindo no território da Síria, se necessário, trabalhando de forma seletiva", disse Putin na reunião com os presidentes das câmaras da Assembleia Federal Russa.


Residentes de Latakia participam da manifestação para agradecer a Rússia pela ajuda na luta contra terroristas, Síria, novembro de 2015
Moradores de Latakia, na Síria, fazem manifestação em agradecimento à Rússia © Sputnik/ Dmitry Vinogradov

O líder russo reiterou que, mesmo se as forças armadas russas continuassem com atividades antiterroristas na Síria, a escala de seu envolvimento seria muito menor que antes.

"Mas, repito, não como era antes, com um uso tão amplo de todos os componentes de nossas forças armadas. É por isso que a retirada ocorreu, já que não há mais necessidade de equipamentos e pessoal. Pelo menos não é necessário agora", acrescentou.

Em 11 de dezembro de 2017, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou o início da retirada das tropas russas da Síria. Moscou manterá a presença na base aérea de Hmeymim e no porto de Tartus.


Postar um comentário