Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Putin: Rússia continuará combatendo o terrorismo na Síria se for necessário

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou nesta segunda-feira (25) que o país continuará sua luta contra o terrorismo, inclusive no território sírio, se for necessário.


Sputnik

"Não há necessidade de um uso tão generalizado das forças armadas russas na Síria, como era antes, embora tenhamos duas bases, e nós, é claro, continuaremos a combater o terrorismo, incluindo no território da Síria, se necessário, trabalhando de forma seletiva", disse Putin na reunião com os presidentes das câmaras da Assembleia Federal Russa.


Residentes de Latakia participam da manifestação para agradecer a Rússia pela ajuda na luta contra terroristas, Síria, novembro de 2015
Moradores de Latakia, na Síria, fazem manifestação em agradecimento à Rússia © Sputnik/ Dmitry Vinogradov

O líder russo reiterou que, mesmo se as forças armadas russas continuassem com atividades antiterroristas na Síria, a escala de seu envolvimento seria muito menor que antes.

"Mas, repito, não como era antes, com um uso tão amplo de todos os componentes de nossas forças armadas. É por isso que a retirada ocorreu, já que não há mais necessidade de equipamentos e pessoal. Pelo menos não é necessário agora", acrescentou.

Em 11 de dezembro de 2017, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou o início da retirada das tropas russas da Síria. Moscou manterá a presença na base aérea de Hmeymim e no porto de Tartus.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas