Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Brasil comemora 20 anos do fim do conflito entre Peru e Equador

O Brasil irá comemorar nesta terça-feira os 20 anos do fim dos conflitos na fronteira entre Peru e Equador, que se prolongaram por quase 170 anos e que causaram várias guerras, tensões e enfrentamentos entre ambos os países.
EFE

Brasília - O Acordo Global e Definitivo de Paz entre Equador e Peru foi assinado em 26 de outubro de 1998 em Brasília, que voltará a ser palco de um encontro entre representantes dessas duas nações, mas agora para reafirmar "o valor e a eficácia da diplomacia e da solução pacífica de controvérsias", diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

A cerimônia contará com a participação do equatoriano José Ayala Lasso e do peruano Fernando de Trazegnies Granda, que eram os chanceleres de seus países na ocasião da assinatura e tiveram participação ativa nas negociações, e será presidido pelo ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes.

Segundo a nota oficial, a comemoração "também evidencia, uma vez mais, a capacidade regional de responder e…

Pyongyang acusa Washington de querer provocar uma guerra na Coreia

A Coreia do Norte acusou, nesta quinta-feira, os Estados Unidos de quererem provocar uma guerra na península coreana, uma decisão que se reflete na escalada das manobras militares de Washington e os comentários "belicistas" das suas autoridades em direção a Pyongyang.


EFE

"Os comentários negligentes de guerra do círculo interno do presidente americano Donald Trump e os movimentos militares temerários dos EUA corroboram que o atual governo decidiu provocar uma guerra na península coreana", disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano à agência estatal "KCNA".


O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. EFE/HOW HWEE YOUNG
O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. EFE/HOW HWEE YOUNG

Pyongyang acredita que Washington optou pela estratégia de ir "passo a passo" para fazer explodir o conflito e que o único que pode ser perguntado agora é "quando explodirá a guerra"?

O porta-voz do Ministério da Coreia do Norte afirmou: "não desejamos uma guerra, mas não fugiremos dela" e advertiu os EUA que "pagarão caro as consequências" por provocar um conflito com sua "poderosa força nuclear, que fortalecemos constantemente".

Os comentários da Chancelaria norte-coreana acontecem no meio da realização das manobras aéreas anuais de Washington e Seul "Vigilant ACE", as maiores até o momento, que se prolongarão até sexta-feira e que representam uma nova exibição de força diante do desafio armamentístico do regime liderado por Kim Jong-un.

A tensão na península da Coreia aumentou notavelmente nos últimos meses após o último teste nuclear norte-coreano em setembro e os lançamentos de mísseis balísticos, o mais recente e mais avançado na semana passada.

O assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, o tenente-general Herbert Raymond "H.R." McMaster, falou recentemente que a possibilidade de uma guerra com a Coreia do Norte "está aumentando a cada dia", enquanto o senador republicano Lindsey Graham pediu ao Pentágono para começar a repatriar as famílias dos militares americanos, alegando que o conflito com o Norte está se aproximando.

Pyongyang rotulou hoje estes comentários de "belicistas" e disse que eles apenas podem ser interpretados "como um aviso para que estejamos preparados para uma guerra", disse o porta-voz do Ministério, acrescentando que "o mundo não deveria abrigar nenhum preconceito quando se trata de discernir quem está por trás da tensa situação".


Postar um comentário

Postagens mais visitadas