Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Qualquer cenário é possível: EUA e China se preparam para 'queda do regime' de Pyongyang

Os EUA e China discutem as garantias para manter as armas nucleares norte-coreanas em segurança se na Coreia do Norte houver "qualquer instabilidade", declarou o secretário de Estado dos EUA Rex Tillerson falando perante o Conselho Atlântico em Washington.


Sputnik

"Se alguma coisa acontecer, e isso pode ser algum assunto interno da Coreia do Norte […]se isso criar alguma instabilidade, o mais importante para nós seria garantir a segurança das armas nucleares já desenvolvidas, garantir que não iriam cair mãos de pessoas que não queremos", declarou Tillerson.


Arquitetura norte-coreana enigmática
Kim Jong-un © REUTERS/ KCNA

O diplomata norte-americano destacou que a ameaça por parte das armas nucleares norte-coreanas é demasiado grande para ser ignorada e que a política dos EUA de desnuclearização da Coreia do Norte é partilhada pela Rússia e a China.

O secretário de Estado também declarou pela primeira vez que os EUA estão prontos para negociações diretas com os representantes da Coreia do Norte. A única condição para as negociações, segundo ele, é que o regime não realize mais lançamentos de mísseis balísticos.


Postar um comentário