Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vídeo mostra momento do encontro do submarino argentino Ara San Juan

Profissionais que operavam um dos veículos submarinos foram os primeiros a ver em tela as imagens da embarcação, que estava desaparecida desde 15 de novembro do ano passado. Submarino foi localizado a 907 metros de profundidade.
Por G1

Um vídeo divulgado neste domingo (18) mostra as primeiras imagens do submarino Ara San Juan, no momento em que profissionais da empresa Ocean Infinity o localizaram. O encontro foi anunciado pela Marinha da Argentina na madrugada de sábado.


No vídeo é possível ver quando a equipe que opera um dos veículos que fazia as buscas vê a embarcação pela primeira vez em uma região de cânions (espécie de rios submarinos), a 907 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia.

O Ara San Juan desapareceu em 15 de novembro de 2017, com 44 pessoas a bordo, e sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma á…

Qualquer cenário é possível: EUA e China se preparam para 'queda do regime' de Pyongyang

Os EUA e China discutem as garantias para manter as armas nucleares norte-coreanas em segurança se na Coreia do Norte houver "qualquer instabilidade", declarou o secretário de Estado dos EUA Rex Tillerson falando perante o Conselho Atlântico em Washington.


Sputnik

"Se alguma coisa acontecer, e isso pode ser algum assunto interno da Coreia do Norte […]se isso criar alguma instabilidade, o mais importante para nós seria garantir a segurança das armas nucleares já desenvolvidas, garantir que não iriam cair mãos de pessoas que não queremos", declarou Tillerson.


Arquitetura norte-coreana enigmática
Kim Jong-un © REUTERS/ KCNA

O diplomata norte-americano destacou que a ameaça por parte das armas nucleares norte-coreanas é demasiado grande para ser ignorada e que a política dos EUA de desnuclearização da Coreia do Norte é partilhada pela Rússia e a China.

O secretário de Estado também declarou pela primeira vez que os EUA estão prontos para negociações diretas com os representantes da Coreia do Norte. A única condição para as negociações, segundo ele, é que o regime não realize mais lançamentos de mísseis balísticos.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas