Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Que objetivos busca a delegação militar russa em Pyongyang?

Na terça-feira (12), representantes do Ministério da Defesa russo chegaram à Coreia do Norte. A delegação russa busca convencer o governo norte-coreano a seguir o “roteiro”, proposto por Moscou e Pequim, acreditam especialistas entrevistados pela Sputnik.


Sputnik

Nesta quarta-feira (13), foi informado que uma delegação do Ministério da Defesa russo, liderada pelo vice-chefe do Centro Nacional de Defesa russo, Viktor Kalganov, chegou a Pyongyang, mas os objetivos da visita não foram especificados.


Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte, com militares jovens
Kim Jong-un com militares jovens © REUTERS/ KCNA

"Acho que eles [membros da delegação russa] tentarão convencer os dirigentes da Coreia do Norte a manterem a calma e congelarem o programa [nuclear], pelo menos os testes de lançamentos, para cumprirem o 'roteiro' proposto pela Rússia e China para resolver a crise", comentou à agência o analista militar russo, Viktor Murakhovsky.

Segundo o especialista, este tema adquire especial importância no momento, quando a Rússia e a China estão realizando exercícios de defesa antimíssil.

Murakhovsky considera que existe a ameaça de um lançamento não intencional, ou por engano, da Coreia do Norte em territórios da Rússia e da China.

"Caso haja alguma ameaça para, por exemplo, as áreas urbanas, a Rússia possui sistemas móveis, inclusive de defesa antimísseis, como S-400 e S-300V4. Quanto à China, sua capacidade de abater um míssil deste tipo é muito menor", explicou.

O presidente da Academia de Problemas Geopolíticos, Leonid Ivashov, partilhou as avaliações, sublinhando que a delegação russa poderá apresentar propostas para solucionar a crise na península coreana. Também não descartou a possibilidade dos representantes russos discutirem com seus colegas norte-coreanos a cooperação técnico-militar.

"Acredito que o Ministério da Defesa russo veio com propostas, autorizadas pela parte chinesa, para resolver a situação perigosa originada pelo confronto entre a Coreia do Norte e os EUA, e Coreia do Sul e o Japão", afirmou.

O especialista duvida que se trate de negociações concretas. O mais provável é que ambas as partes intercambiem suas opiniões em relação ao programa nuclear de Pyongyang e a intensificação das manobras dos EUA e seus aliados perto do território norte-coreano para depois elaborar medidas políticas de resolução da crise.

Falando sobre a cooperação técnico-militar, o analista acha que serão discutidas tais questões como preparação de especialistas e consultas mútuas. Principalmente, não descarta que especialistas militares russos prestem consultas a seus colegas norte-coreanos.

A Coreia do Norte se tornou uma ameaça de discórdia a nível regional e global persistindo em desenvolver seu programa nuclear e de mísseis por causa da alegada agressividade dos EUA e seus aliados.

Enquanto Washington responde a Pyongyang com uma retórica também agressiva, a Rússia e a China têm proposto várias medidas para solucionar a crise de modo pacífico e político.

Em 27 de novembro, o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Igor Morgulov, apresentou um roteiro para resolver a crise coreana.

A iniciativa consiste em três fases: a primeira inclui uma moratória simultânea do programa de mísseis e armas nucleares norte-coreano e os exercícios em grande escala dos EUA e Coreia do Sul.

A segunda etapa supõe iniciar negociações diretas entre Pyongyang e Washington e entre as duas Coreias, No terceiro ciclo se prevê começar negociações multilaterais para criar um mecanismo de paz e segurança, possibilitando desnuclearizar a península da Coreia e desmilitarizar a região.


Comentários

Postagens mais visitadas