Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Reconhecimento de Trump de Jerusalém como capital de Israel prejudica paz, diz Palestina

O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, alertou neste domingo (3) que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelos Estados Unidos irá prejudicar o processo de paz no Oriente Médio.


Sputnik

"Qualquer passo americano relacionado ao reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, ou a mudança da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém, representa uma ameaça para o futuro do processo de paz e é inaceitável para os palestinos, árabes e internacionalmente", disse Abbas de acordo com a agência de notícias Wafa.


O presidente dos EUA, Donald Trump, toma um copo de vinho durante sua visita oficial à Coreia do Sul, em 7 de novembro de 2017
Donald Trump, presidente dos EUA © REUTERS/ Jonathan Ernst

Tanto Israel quanto Palestina afirmam que Jerusalém é sua capital.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu em sua campanha transferir a embaixada estadunidense para Jerusalém. Hoje, a representação diplomática de Washington e de outros países ficam na cidade de Tel-Aviv.

Uma lei de 1995 do Congresso dos Estados Unidos, entretanto, estabelece que a embaixada deve ficar em Jerusalém. Desde então, os presidentes dos Estados têm assinado uma clausula que impede a transferência — mas Trump deu sinais que pode não assinar o documento. Trump também poderá reconhecer Jerusalém como capital de Israel, o que seria uma espécie de antecedente para a transferência diplomática.

A comunidade internacional não reconhece Jerusalém como capital de Israel e afirma que o status da cidade deve ser determinado pela via diplomática.

A Palestina está em contato com os líderes de Egito, Jordânia, Arábia Saudita, Qatar, Kuwait e França para tratar da possível mudança de posição de Trump, afirmou o porta-voz de Abbas, Nabil Abu Rdeneh.

"Nós acreditamos que este passo americano, caso ele ocorra, irá colocar a região em um novo curso e uma nova fase cujos resultados não podem ser controlados", disse Rdeneh.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas