Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Reconhecimento de Trump de Jerusalém como capital de Israel prejudica paz, diz Palestina

O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, alertou neste domingo (3) que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelos Estados Unidos irá prejudicar o processo de paz no Oriente Médio.


Sputnik

"Qualquer passo americano relacionado ao reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, ou a mudança da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém, representa uma ameaça para o futuro do processo de paz e é inaceitável para os palestinos, árabes e internacionalmente", disse Abbas de acordo com a agência de notícias Wafa.


O presidente dos EUA, Donald Trump, toma um copo de vinho durante sua visita oficial à Coreia do Sul, em 7 de novembro de 2017
Donald Trump, presidente dos EUA © REUTERS/ Jonathan Ernst

Tanto Israel quanto Palestina afirmam que Jerusalém é sua capital.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu em sua campanha transferir a embaixada estadunidense para Jerusalém. Hoje, a representação diplomática de Washington e de outros países ficam na cidade de Tel-Aviv.

Uma lei de 1995 do Congresso dos Estados Unidos, entretanto, estabelece que a embaixada deve ficar em Jerusalém. Desde então, os presidentes dos Estados têm assinado uma clausula que impede a transferência — mas Trump deu sinais que pode não assinar o documento. Trump também poderá reconhecer Jerusalém como capital de Israel, o que seria uma espécie de antecedente para a transferência diplomática.

A comunidade internacional não reconhece Jerusalém como capital de Israel e afirma que o status da cidade deve ser determinado pela via diplomática.

A Palestina está em contato com os líderes de Egito, Jordânia, Arábia Saudita, Qatar, Kuwait e França para tratar da possível mudança de posição de Trump, afirmou o porta-voz de Abbas, Nabil Abu Rdeneh.

"Nós acreditamos que este passo americano, caso ele ocorra, irá colocar a região em um novo curso e uma nova fase cujos resultados não podem ser controlados", disse Rdeneh.


Postar um comentário