Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Reconhecimento de Trump de Jerusalém como capital de Israel prejudica paz, diz Palestina

O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, alertou neste domingo (3) que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelos Estados Unidos irá prejudicar o processo de paz no Oriente Médio.


Sputnik

"Qualquer passo americano relacionado ao reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, ou a mudança da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém, representa uma ameaça para o futuro do processo de paz e é inaceitável para os palestinos, árabes e internacionalmente", disse Abbas de acordo com a agência de notícias Wafa.


O presidente dos EUA, Donald Trump, toma um copo de vinho durante sua visita oficial à Coreia do Sul, em 7 de novembro de 2017
Donald Trump, presidente dos EUA © REUTERS/ Jonathan Ernst

Tanto Israel quanto Palestina afirmam que Jerusalém é sua capital.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu em sua campanha transferir a embaixada estadunidense para Jerusalém. Hoje, a representação diplomática de Washington e de outros países ficam na cidade de Tel-Aviv.

Uma lei de 1995 do Congresso dos Estados Unidos, entretanto, estabelece que a embaixada deve ficar em Jerusalém. Desde então, os presidentes dos Estados têm assinado uma clausula que impede a transferência — mas Trump deu sinais que pode não assinar o documento. Trump também poderá reconhecer Jerusalém como capital de Israel, o que seria uma espécie de antecedente para a transferência diplomática.

A comunidade internacional não reconhece Jerusalém como capital de Israel e afirma que o status da cidade deve ser determinado pela via diplomática.

A Palestina está em contato com os líderes de Egito, Jordânia, Arábia Saudita, Qatar, Kuwait e França para tratar da possível mudança de posição de Trump, afirmou o porta-voz de Abbas, Nabil Abu Rdeneh.

"Nós acreditamos que este passo americano, caso ele ocorra, irá colocar a região em um novo curso e uma nova fase cujos resultados não podem ser controlados", disse Rdeneh.


Postar um comentário