Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Repúdio global aos EUA na ONU pelo reconhecimento de Jerusalém

Governo de Washington fica isolado no Conselho de Segurança extraordinário.
Países advertem que anúncio viola as resoluções da ONU e pode incendiar o Oriente Médio


Jan Martínez Ahrens | El País

Donald Trump está cada dia mais sozinho. Sua explosiva decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e transferir sua embaixada para lá submeteu os Estados Unidos a uma insólita humilhação no Conselho de Segurança da ONU nesta sexta-feira. Nenhum país saiu em defesa de Washington e praticamente todos advertiram que seu anúncio viola as resoluções das Nações Unidas e ameaça incendiar o Oriente Médio. “Qualquer decisão unilateral prejudica os esforços para a paz. E devo dizer que estou preocupado com o risco de uma escalada de violência”, afirmou o representante das Nações Unidas no processo de paz, Nicolai Mladenov, endossando as queixas do resto dos países.

Embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley.
Embaixatriz dos EUA na ONU, Nikki Haley | BRENDAN MCDERMID REUTERS

Foi um insólito revés diplomático. Todos deram as costas a Trump. E Washington respondeu sem levantar a voz, evitando intensificar o incêndio que seu próprio presidente provocou. Até a enérgica embaixadora na ONU, Nikki Haley, conhecida por seus ataques furiosos à Coreia do Norte, adotou um tom moderado e enfatizou, assim como Trump na quarta-feira, que a decisão não afeta o estatuto final de Jerusalém e nem as negociações de paz.

“Não é um revés para o processo, meu país mantém seu compromisso em apoiá-lo. Ter a embaixada na capital é apenas uma decisão de senso comum. Os Estados Unidos foi o primeiro país a reconhecer Israel e agora é o primeiro a aceitar sua capital. Admitimos o óbvio”, justificou-se Haley.

Suas palavras reiteraram o desejo da diplomacia norte-americana de reduzir a declaração de reconhecimento da capital a um gesto sem grandes consequências, o que nem sequer significará uma mudança imediata da legação. Uma tentativa vã em uma terra milenar, sagrada para três culturas, onde o anúncio de Trump foi entendido como um símbolo da rejeição a outros símbolos.

“Jerusalém é o coração da Palestina, o terceiro lugar sagrado para os muçulmanos, e o que os senhores fizeram é ilegal e irresponsável, só procuraram agradar o poder ocupante”, disse o observador palestino na ONU.

Nesse clima de rejeição, a minúcia da embaixadora não conseguiu evitar o constrangimento nem mesmo entre seus aliados tradicionais. Todos os participantes, exceto o ucraniano, que se limitou a ler um asséptico comunicado de 30 segundos, foram fiéis às declarações da ONU no conflito. “Jerusalém é um corpo separado cujo estatuto só pode ser resolvido com um acordo internacional. Portanto, a ONU exigiu em uma resolução a retirada de todas as embaixadas de Jerusalém”, detalhou o representante sueco. “O Reino Unido não pretende mudar sua embaixada. Cada passo no conflito deve ser dado com o acordo das partes e visando a criação de dois Estados”, afirmou o embaixador britânico. “Os EUA devem especificar como sua declaração se enquadra nas resoluções da ONU sobre Jerusalém. Estamos realmente preocupados com o risco de um aumento das tensões”, clamou o francês, reiterando um diapasão que ninguém rompeu.

Postar um comentário