Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Resposta irônica da Rússia à 'vitória' dos EUA sobre Daesh na Síria

O representante oficial do Pentágono, Eric Pahon, que declarou que foi a coalizão liderada pelos EUA quem libertou a Síria dos terroristas "deve dar uma olhada no livro da lógica", disse o vice-presidente da Comissão de Defesa e Segurança do Conselho da Federação da Rússia, Franz Klintsevich.


Sputnik

"Se ouvirmos Pahon, resulta que, libertando a Síria, a coalizão liderada por Washington transfere o controle sobre o país às forças governamentais de Assad [o presidente sírio Bashar Assad], considerado seu pior inimigo", disse o senador. Ao mesmo tempo, ele indicou que, "atualmente, quase 98% do território do país está sendo controlado pelas tropas governamentais".


Caça da Força Aeroespacial russa Su-30SM decola da base aérea de Hmeymim, Síria, junho de 2016
Caça bombardeiro russo Sukhoi Su-30 em base aérea na Síria © Sputnik/ Ramil Sitdikov

"Sendo assim, recomendo que Eric Pahon dê uma olhada no livro da lógica elementar antes de afirmar algo", destacou Klintsevich.

O próprio presidente da Síria, Bashar Assad, agradeceu várias vezes ao Kremlin e ao Ministério da Defesa da Rússia por ajudar a manter a integralidade territorial e a soberania da Síria.

Em 5 de dezembro, comentando a declaração do Ministério da Defesa russo sobre a derrota total dos jihadistas a leste do Eufrates, o representante oficial do Departamento de Defesa dos EUA, Eric Pahon, afirmou que “o regime sírio e a Rússia não mostraram uma abordagem séria ou um compromisso para derrotar o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia]” e que “a maior parte do território libertado no Iraque e na Síria foi reconquistada graças aos esforços da coalizão global e dos seus parceiros".

A Rússia está participando de ações militares na Síria desde 2015, a pedido do presidente do país, Bashar Assad, ajudando o exército sírio a eliminar as forças do Daesh. Durante dois anos, o exército sírio, com o apoio da Força Aeroespacial da Rússia, conseguiu libertar uma grande parte do país dos terroristas. De acordo com avaliações do Ministério da Defesa russo, a Força Aeroespacial da Rússia destruiu centena de milhares de alvos terroristas desde o início da operação.


Comentários

Postagens mais visitadas