Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Embraer e Boeing acertam termos de parceria

Acordo prevê criação de uma nova empresa de aviação comercial, com 80% de participação da gigante americana. Boeing vai pagar 4,2 bilhões de dólares aos brasileiros. Transação precisa ser aprovada pelo governo federal.
Deutsch Welle

A Embraer e a gigante americana Boeing anunciaram nesta segunda-feira (17/12) a aprovação dos termos de uma parceria para criar uma nova empresa de aviação comercial. A execução do acerto ainda precisa do aval do governo brasileiro.


De acordo com a proposta, a Boeing deterá 80% de participação na joint venture pelo valor de 4,2 bilhões de dólares, enquanto a fabricante brasileira ficará com os 20% restantes.

"A expectativa é de que a parceria não terá impacto no lucro por ação da Boeing em 2020, passando a ter impacto positivo nos anos seguintes", diz um comunicado conjunto da Embraer e da Boeing divulgado para investidores.

As duas empresas informaram que a joint venture criada para a fabricação de aviões comerciais, que deve absorver toda a operação…

Rússia: afirmações de Erdogan sobre Assad ser terrorista não possuem bases legais

A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, comentou a afirmação do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, de ontem (27), qualificando seu homólogo sírio, Bashar Assad, como terrorista.


Sputnik

Maria Zakharova afirmou nesta quinta-feira (28), durante um briefing, que os representantes do governo sírio são integrantes da ONU e representam seu governo no Conselho de Segurança da ONU, fazendo com que"estas palavras até mesmo sem avaliações e argumentos adicionais não possuam nenhuma base legal".


Sírios passeando perto do retrato do presidente do país, Bashar Assad
© AFP 2017/ LOUAI BESHARA

Em 27 de dezembro, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou durante coletiva de imprensa, transmitida pela TV, com seu homólogo tunisiano, Beji Caid Essebsi que o presidente sírio "definitivamente é um terrorista que protagoniza o terrorismo estatal", acrescentando que "é impossível continuar com Assad", acusando o líder da Síria de ter matado aproximadamente um milhão de seus cidadãos.

O ministro das Relações Exteriores sírio respondeu às acusações no dia seguinte, afirmando que Erdogan enganou a opinião pública da Turquia ao declarar que Assad deveria deixar seu cargo, acrescentando que a política de Ancara "leva a consequências catastróficas" para os dois países.

Apesar de Rússia e Turquia serem mediadores no processo de negociações de paz na Síria, os países têm visões diferentes quanto à posição do presidente sírio.

Enquanto Moscou insiste que Assad continue sendo o presidente legítimo, frisando que o futuro da Síria deve ser decidido pelo próprio país, Ancara vem declarando que o presidente sírio deve deixar seu cargo.

Por sua vez, Assad se recusou a considerar Ancara como seu parceiro ou país garantidor por acreditar que a Turquia apoie o terrorismo.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas