Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Rússia: já não há pretextos formais para presença militar dos EUA na Síria

O Ministério da Defesa russo afirmou que o Pentágono engana opinião pública sobre a Síria e desconhece a situação real no país.


Sputnik

"O Pentágono engana deliberadamente a comunidade internacional e a opinião pública norte-americana, incluindo o comandante-em-chefe [Trump], porque já não há razões nem pretextos formais para a presença de tropas norte-americanas na Síria", afirmou representante oficial do Ministério da Defesa russo, major-general Igor Konashenkov.


Militares americanos e rebeldes do Maghaweer al-Thawra, apoiado pelos EUA, em Al Tanf, no sul da Síria
Tropas dos EUA atuando com terroristas do Maghaweer al-Thawra na Síria © AP Photo/ Hammurabi's Justice News

Foi assim que ele comentou a declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, de que os Estados Unidos teriam derrotado no Iraque e na Síria o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia).

Konashenkov também criticou o comentário do seu homólogo norte-americano, Adrian Rankine-Galloway, de que o Pentágono não teria detectado nenhuma retirada significativa das forças de combate russas da Síria.

"Declarações dos representantes do Pentágono sobre a retirada ou não retirada das tropas russas não apenas revelam um desejo mal disfarçado de que não estejamos lá, mas também o desconhecimento da situação real sobre o terreno", afirmou ele.

O representante oficial do Ministério da Defesa russo sublinhou que "é problema do Pentágono se os canais de televisão norte-americanos não mostram o retorno dos aviões, sapadores, médicos e policiais militares russos da Síria", recomendando que assistam a canais russos ou europeus.

Em 11 de dezembro de 2017, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou o início da retirada das tropas russas da Síria. Moscou manterá a presença na base aérea de Hmeymim e no porto de Tartus.


Postar um comentário