Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Netanyahu: Irã está criando exército contra Israel

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, acusou Israel de violar o direito internacional e avisou Tel Aviv sobre as consequências caso o país continue seguindo a mesma linha anti-Irã. Em resposta, o primeiro-ministro israelense respondeu que a Guarda Revolucionária Iraniana pretende destruir o seu país.
Sputnik

Falando durante a sessão do Estado-Maior General das Forças de Defesa Israelenses (IDF, sigla em inglês), o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, criticou as recentes declarações de Teerã em relação a Tel Aviv.


"Hoje ouvi o que disse o chanceler iraniano, acusando Israel de violar direito internacional. Trata-se do ministro do Exterior de um país que envia drones militares contra Israel e mísseis contra a Arábia Saudita. Também ouvi palavras moderadas, e há um abismo enorme entre as palavras e as ações da Guarda Revolucionária [Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica] que está construindo um exército contra Israel com o objetivo declarado…

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.


Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA Donald Trump © REUTERS/ Joshua Roberts

"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os palestinos.

"Sua ação encorajou os elementos mais extremos da sociedade israelense […] porque eles tomam sua ação como uma licença para expulsar os palestinos de suas terras e sujeitá-los a um estado de apartheid", escreveu o Príncipe Turki.

"Sua ação tem igualmente encorajado o Irã e seus 'minions' terroristas a afirmar que eles são os defensores legítimos dos direitos dos palestinos", acrescentou, referindo-se ao inimigo xiita do reino.

A Arábia Saudita buscou melhores laços com Washington sob Trump do que tinha sob seu antecessor, Barack Obama, que alarmou Riad ao ​​assinar um acordo nuclear com o Irã, o arquirrival da Arábia Saudita.

O príncipe Turki é filho do rei Faisal, que foi assassinado em 1975. Seu irmão, Saud al-Faisal, serviu como ministro de Relações Exteriores por 40 anos até 2015, e seu ramo da família é visto como influente sobre a política externa saudita, mesmo que o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman tenha solidificado sua autoridade.

O príncipe Saud defendeu uma iniciativa de paz árabe de 2002 que pedia a normalização das relações entre os países árabes e Israel em troca da retirada de Israel dos territórios ocupados.

Embora a maioria das políticas estrangeiras na Arábia Saudita seja supervisionada pelo príncipe herdeiro Mohammed, uma fonte no Centro de Investigação e Estudos Islâmicos do Rei Faisal que o príncipe Turki preside afirmou que ele ainda se encontra o rei Salman todas as semanas.


Postar um comentário