Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares dos EUA prometem responder a possível ataque turco contra cidade síria de Manbij

Os militares norte-americanos prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade síria de Manbij à luz de uma possível operação turca na área, afirmou o comandante do Conselho Militar de Manbij, que faz parte das Forças Democráticas da Síria (FDS), Ebu Adil.
Sputnik

Em entrevista à Sputnik Turquia, Ebu Adil comentou a resposta dos EUA às preocupações expressas pelos representantes do Conselho Militar de Manbij devido a um possível ataque contra a cidade síria por parte de Ancara.


"Há dois anos, em conjunto com as forças da coalizão liderada pelos EUA, nós limpamos Manbij do Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. Desde então, na cidade se encontram forças da coalizão. Algum tempo atrás, nós falamos com os militares norte-americanos sobre um possível ataque da Turquia contra Manbij. Os militares dos EUA prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade, de onde quer que ele provenha", afirmou o comandante do conselho.

Além disso, ele …

Sistema de defesa antiaérea Pantsir demonstrou seu potencial na Síria ao defender base aérea russa

Os sistemas de defesa antiaérea da base russa Hmeymim interceptaram mísseis lançados pelos terroristas, comunicou a mídia. O especialista militar, Viktor Murakhovsky, contou como os sistemas russos de defesa antiaérea operam na Síria.


Sputnik

O sistema de artilharia antiaérea Pantsir-S1 interceptou dois mísseis lançados pelos terroristas contra a base aérea Hmeymim na Síria, noticiou a edição Al-Masdar.


Pantsir-S1 em ação durante manobras
Pantsir S1 em ação © Sputnik/ Mikhail Fomichev

Os terroristas lançaram vários mísseis em direção à base aérea russa a partir do povoado Bidama situado na província de Idlib. O Pantsir-S1 conseguiu interceptar dois mísseis. Outro míssil explodiu na área da cidade de Jableh, na província de Latakia, sem atingir a base.

Foi comunicado que, no momento, os helicópteros da Força Aeroespacial russa estão patrulhando a área de lançamento dos mísseis.

Na sexta-feira (22), o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, afirmou que as tropas russas na Síria possuem uma defesa antiaérea segura. Ele frisou que os sistemas S-400, S-300V e Pantsir, junto com os caças, asseguraram a liderança absoluta da Força Aeroespacial russa no espaço aéreo da Síria. De acordo com o ministro, foram prevenidas todas as tentativas de violar as zonas de segurança de bases russas situadas em Tartus e Hmeymim.

O especialista militar Viktor Murakhovsky, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, falou sobre como operam os sistemas russos de defesa antiaérea na Síria.

"Em geral, podemos dizer que o S-400 e S-300V comprovaram suas elevadas características. Apesar de estes sistemas serem de longo alcance e não terem operado contra alvos aéreos reais, eles acompanharam os aviões da coalizão encabeçada pelos EUA que se aproximaram das fronteiras da zona definida pelo memorando de prevenção de incidentes. O sistema S-300V monitorou e detectou aviões de vigilância, bombardeiros táticos e operacionais e garantiu a segurança do espaço aéreo. Vale destacar o trabalho do sistema Pantsir, que durante a defesa do aeródromo Hmeymim se obteve sucesso na luta contra drones, bem como preveniu a que as instalações fossem atingidas por foguetes não guiados que os terroristas tentaram lançar na área de Hmeymim", assinalou Viktor Murakhovsky.

O especialista comentou também as notícias sobre o desenvolvimento de um novo sistema de artilharia antiaérea destinado à eliminação de drones e mísseis de cruzeiro. Entre as características do sistema vale destacar sua baixa visibilidade. Viktor Murakhovsky explicou por que a Rússia precisa destes sistemas.

"Quase todos os nossos sistemas de defesa antiaérea conseguem operar contra quaisquer alvos aerodinâmicos, incluindo drones de diferentes classes, de estratégicos a táticos. Contudo, ultimamente surgiram dores de classe extra pequena que operam principalmente sobre o campo de batalha. Trata-se de um alvo muito inconveniente, uma vez que se forem derrubados por mísseis dos sistemas de defesa antiaérea, o míssil custaria 10 vezes mais que o próprio drone. Além disso, no campo de batalha são largamente utilizadas munições robóticas, que também representam um perigo e que também devem ser eliminadas com meios antiaéreos", ressaltou Viktor Murakhovsky.


Postar um comentário