Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Tillerson pede que Arábia Saudita seja mais comedida no Iêmen, Catar e Líbano

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, pediu nesta sexta-feira mais comedimento à Arábia Saudita em suas atuações no Iêmen, no Catar e no Líbano, ao mesmo tempo em que reiterou seu apoio às reformas que Riad está promovendo.


EFE

"Os Estados Unidos apoiam as reformas na Arábia Saudita", afirmou Tillerson em pronunciamento à imprensa em Paris junto ao ministro de Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian, com quem teve um encontro bilateral após ambos terem participado nesta manhã de uma reunião do grupo internacional de apoio ao Líbano.


Imagem de Rex Tillerson (esq) junto ao ministro de Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian (dir). EFE/ Christophe Petit Tesson
Imagem de Rex Tillerson (esq) junto ao ministro de Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian (dir). EFE/ Christophe Petit Tesson

Perguntado sobre a atuação exterior da Arábia Saudita, o chefe da diplomacia americana declarou que "lhe pedimos para serem comedidos" no Iêmen, no Catar e no Líbano.

Tillerson acrescentou que, a respeito do conflito no Iêmen, tinham sido "muito claros" ao exigir o fim do bloqueio, que impede o abastecimento do país, e, em particular, a entrada de ajuda humanitária.

Sobre o Líbano, considerou que "as coisas evoluíram de forma mais positiva".

De fato, Tillerson lembrou que nesta manhã o primeiro-ministro libanês, Saad Hariri, tinha destacado o compromisso de todos os partidos do seu governo com a chamada "política do distanciamento", para abster-se de qualquer intervenção nas diferentes crises da região e evitar as ingerências de outros países em seus assuntos internos.

Tanto Tillerson como Le Drian ressaltaram que todos, inclusive o Hezbollah, devem respeitar esse princípio, para preservar a soberania, a unidade e a integridade do Líbano.

O secretário de Estado americano confirmou, além disso, seu apoio ao reforço das capacidades do exército do Líbano, que será assunto de uma conferência internacional em Roma no início do próximo ano.


Comentários

Postagens mais visitadas