Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Oficial americano joga culpa para Israel pelo ataque às forças sírias

No domingo (17), a mídia síria relatou ataque ao povoado sírio Al-Harra, província de Deir ez-Zor, na fronteira com o Iraque, supostamente realizado pela coalizão internacional, liderada pelos EUA, tendo como alvo forças governamentais. Porém, um oficial americano culpou Israel pelo ataque.
Sputnik

Anteriormente, uma fonte militar relatou à mídia síria que drones "provavelmente americanos" bombardearam Al-Harra, entre Abu Kamal e Al-Tanf.

Segundo dados das Forças de Mobilização Popular iraquianas, o ataque matou 22 soldados iraquianos. O Observatório Sírio de Direitos Humanos, por sua vez, disse que o número total de vítimas corresponde a 52 pessoas, citado pelo Haaretz.

"Entre [os mortos] estão ao menos 30 militares iraquianos e 16 sírios, incluindo soldados e membros da milícia leal ao governo", afirmou à mídia o chefe do Observatório Sírio, Rami Abdel Rahman.

Comentando a notícia, o porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Adrian Rankine-Galloway, descartou que W…

200 soldados dinamarqueses vão conter 'invasão' da Rússia na Estônia

Nesta semana, 200 soldados dinamarqueses chegarão à Estônia como parte da força rotativa da OTAN a fim de conter a alegada agressão por parte da Rússia contra os Países Bálticos e a Polônia. Os soldados foram instruídos para resistir às "operações psicológicas" e "armadilhas sexuais" de Moscou, comunicou a Danish Radio.


Sputnik

Mais simbólico do que defensivo, o objetivo principal da missão dinamarquesa é demonstrar sua solidariedade aos países do Báltico que fazem fronteira com a Rússia e reforçar a noção de "comportamento agressivo" por parte de Moscou, já que a decisão foi tomada à luz da reunificação da Crimeia com a Rússia, que foi descrita pelos políticos e mídia da Dinamarca como "anexação".


Familiares se despedindo de soldados dinamarqueses que partem à Estônia, na base naval Korsoer, 9 de janeiro de 2018
Familiares se despedem de soldados dinamarqueses © REUTERS/ Scanpix Denmark/Claus Bech

"Nós temos de assegurar os Países Bálticos que o artigo 5º, o 'juramento mosqueteiro', é aplicado a todos, é por isso que precisamos de manter uma presença visível", afirmou à Danish Radio Jens Ringsmose, chefe do Departamento de Operações Militares da Academia de Defesa, admitindo que a probabilidade de as tropas se envolverem em combates reais é muito baixa.

​Apesar disso, Ringsmose argumentou que a presença de vários países da OTAN vai complicar a situação para Moscou, que a mídia dinamarquesa geralmente descreve como o "urso russo".

"Nós precisamos enviar um sinal à Rússia que, caso ela considere atravessar a fronteira do território da OTAN, ela vai enfrentar não somente as tropas da Estônia, Lituânia e Letônia, mas também soldados dinamarqueses, britânicos e norte-americanos", assinalou Jens Ringsmose, admitindo que o risco de um confronto militar real entre a Rússia e os Países Bálticos é "muito baixo".

​Os soldados da Dinamarca serão estacionados na base de Tapa como parte do grupo avançado da OTAN que conta com 4.000 efetivos, cujo objetivo é reforçar a defesa dos Países Bálticos, cujo contingente combinado corresponde a 22.000 militares.

"Apesar de a contribuição da Dinamarca não ser muito grande […] as ações do país são percebidas como um ato de solidariedade", assinalou a embaixadora dinamarquesa na Estônia, Kristina Miskowiak Beckvard.

Contudo, o número de soldados da Dinamarca na Estônia vai exceder a sua força no Afeganistão. Enquanto as tropas dinamarquesas na Estônia provavelmente nunca vão ver um combate real, ao contrário de seus colegas no Oriente Médio, eles são apresentados como prováveis alvos de desinformação e campanhas de guerra híbrida russas, informou a Danish Radio.

Além disso, os soldados dinamarqueses foram particularmente avisados sobre "armadilhas sexuais", ou seja, mulheres cumprindo missões para seduzir soldados estrangeiros e obter informações confidenciais. Embora Flemming Spildsboel, especialista em assuntos russos, tenha admitido desconhecer qualquer caso desse tipo que tivesse ocorrido nos Países Bálticos, ele argumentou que o risco era maior na Estônia que, por exemplo, no Afeganistão.

Em meio à instalação de tropas dinamarquesas na Estônia, a mídia da Dinamarca viu mais um ponto de discussão sobre a imaginada "ameaça russa".

Entre outros, Jorgen Staun, especialista em política de segurança da Rússia, sugeriu que a ilha mais oriental na Dinamarca no Báltico, Bornholm, seria provavelmente envolvida no combate à agressão militar da Rússia. Staun afirmou também que a Rússia poderia realizar duas intervenções independentes no estrangeiro com 150.000 efetivos para "fechar" o mar Báltico evitando assim que a OTAN socorresse os Países Bálticos, informou a TV2 dinamarquesa.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas