Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Acusar Rússia de violação do tratado INF é contraproducente, diz embaixador

Os EUA continuam acusando publicamente a Rússia de "violar" o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (Tratado INF), o que é contraproducente, declarou em entrevista à Sputnik o embaixador russo nos EUA, Anatoly Antonov.


Sputnik

De acordo com o embaixador, "Washington continua politizando este tema, aumentando as acusações públicas de 'violação' do Tratado INF por parte da Rússia. Ao mesmo tempo, os norte-americanos evitam a discussão concreta das nossas preocupações em relação ao seu cumprimento das disposições do Tratado. Achamos que a retórica pública agressiva a que Washington está recorrendo é contraproducente e não favorece o fortalecimento do Tratado INF".


Míssil balístico intercontinental russo Yars
Míssil balístico intercontinental russo Yars © AFP 2018/ VASILY MAXIMOV

O embaixador disse que a parte russa ainda em 2007 levantou a questão sobre a necessidade de conferir ao Tratado um caráter multilateral.

"Infelizmente, a nossa proposta não foi apoiada pelos países europeus – aliados dos EUA na OTAN. Achamos que este tema continua atual. Em especial, levando em conta as mudanças que ocorreram na esfera da segurança internacional e estabilidade estratégica desde a assinatura do Tratado", notou Antonov.

O embaixador também disse que as inspeções no âmbito do Tratado estão fora de discussão, porque, de acordo com o documento, as inspeções poderiam ser realizadoras somente ao longo de 13 anos após a sua entrada em vigor [até 30 de maio de 2001]. "Como podemos ver, todas as condições foram cumpridas".

O Tratado foi assinado em 1987 por um prazo indeterminado. Com isso, cada uma das partes tem o direito de o rescindir, apresentando provas convincentes sobre a necessidade de abandonar o Tratado.

Além disso, Antonov notou que a Rússia e EUA não são adversários, mas sim parceiros provados com o tempo. Ele frisou que, apesar de a Rússia não aceitar tentativas de exercer pressão sobre si por parte dos EUA, o país não busca aumentar a confrontação e está aberto a revitalizar o diálogo bilateral.

Segundo ele, a Rússia e os EUA "têm que procurar o reforço das relações bilaterais na área econômica, protegendo-as das alterações conjunturais".

Por fim, Antonov assinalou que nas circunstâncias difíceis de hoje, também é importante manter a cooperação na exploração pacífica do espaço, no Ártico e na área científica.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas