Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Após incidente, EUA pedem que Rússia não se aproxime de suas aeronaves

Os Estados Unidos pediram à Rússia que evitem se aproximar das aeronaves norte-americanas para evitar situações perigosas, disse a porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Heather Nauert.


Sputnik

A declaração vem logo após um incidente ocorrido na segunda-feira (29) sobre o Mar Negro, quando um avião russo interceptou uma aeronave norte-americana, causando tensões.


Caças Su-27 da Força Aérea russa
Sukhoi Su-27 © Sputnik/ Anton Denisov

​De acordo com Nauert, um jato Su-27 russo "se envolveu em uma interação insegura" com um avião do EP-3 dos EUA, quando este sobrevoava o espaço aéreo internacional do Mar Negro. A porta-voz expressou profunda preocupação com o incidente.

"Enquanto a aeronave dos EUA estava operando de acordo com o direito internacional, o lado russo violava flagrantemente os acordos existentes e o direito internacional, neste caso o Acordo de 1972 para a Prevenção de Incidentes Sobre o Alto Mar (INCSEA, na sigla em inglês) […]. Pedimos à Rússia para cessar essas ações inseguras que aumentam o risco de erros de cálculo, o perigo para a tripulação aérea em ambos os lados e as colisões no ar", disse Nauert na segunda-feira (29).

Ela chamou o incidente "o exemplo mais recente de atividades militares russas desconsiderando as normas e acordos internacionais".


Postar um comentário