Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Aposta arriscada? General diz que Coreia do Norte não provou que pode atingir os EUA

A Coreia do Norte fez novos avanços no seu programa de mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs, na sigla em inglês), mas ainda não demonstrou todas as capacidades necessárias para atingir os Estados Unidos com essa arma.


Sputnik

A opinião foi dada por um dos principais cientistas norte-americanos nesta terça-feira, no que poderá ser interpretado por Pyongyang como uma aposta arriscada.


Lançamento do míssil Hwasong-12, 15 de setembro, 2017
Lançamento do míssil norte-coreano Hwasong-12 © REUTERS/ KCNA

Enquanto os norte-coreanos indicaram que podem colocar os EUA no alcance e apontar um míssil para o país, o general Paul Selva, vice-presidente do Estado-Maior dos EUA, disse que ainda não se comprovou que suas tecnologias de fusão e segmentação podem sobreviver às tensões de voos de mísseis balísticos.

"Eles deram alguns passos, mas ainda é verdade que eles não demonstraram todos os componentes de um sistema de mísseis balísticos intercontinentais", disse Selva a repórteres.

Também não é claro se a Coreia do Norte tem um veículo de reentrada forte o suficiente para retornar à atmosfera terrestre do espaço e lançar uma ogiva nuclear.

"É possível [que o líder norte-coreano Kim Jong-um] os tenha, então temos que apostar que ele os têm, mas não mostrou ainda", avaliou Selva.

No ano passado, a Coreia do Norte testou os ICBMs que tinham o alcance potencial de atingir o continente dos Estados Unidos. Em setembro do mesmo ano, Pyongyang realizou seu sexto e maior teste nuclear, supostamente com uma bomba de hidrogênio.

O programa de armas de Pyongyang viu as tensões na península da Coreia aumentarem nos últimos meses, provocando novas rodadas de sanções e retórica ardente do presidente dos EUA, Donald Trump, e de Kim Jong-un.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas