Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

'Ataque de drones na Síria é nova página na história do terrorismo internacional'

O especialista militar russo, Igor Korotchenko, disse na entrevista à Sputnik que o ataque de drones contra as bases militares russas em Hmeymim e Tartus são uma nova página na história do terrorismo internacional.


Sputnik

Segundo os dados do Ministério da Defesa da Rússia, o ataque foi suspenso na madrugada de 6 de janeiro, quando foram detectados a uma longa distância e derrubados 13 alvos aéreos de pequeno tamanho. Os militares notaram que a técnica usada no ataque "somente poderia ser recebida de países que possuem altas capacidades tecnológicas".


Membro das Forças Democráticas da Síria inspeciona drone derrubado alegadamente pertencente ao grupo terrorista Daesh (foto de arquivo)
Terrorista das Forças Democráticas da Síria, apoiadas pelos EUA, observa drone abatido © AFP 2018/ DELIL SOULEIMAN

Na Síria, os drones foram lançados a uma grande distância, "agora é uma ameaça real com que todas as forças especiais do mundo devem lidar, é um novo desafio lançado pelo terrorismo mundial a todos os Estados", disse Korotchenko.

Ele adicionou que os alvos de tais ataques terroristas podem ser não apenas militares, mas também civis em várias partes do mundo. Contudo, o especialista duvida que os terroristas tenham dominado a tecnologia de produção e uso de drones sozinhos.

Na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, outro analista militar, Andrei Koshkin expressou a opinião de que é necessário estudar a experiência da Rússia em repelir os ataques terroristas deste tipo.

"Na Síria, encontramos novos meios de efetuar ataques terroristas contra instalações militares e governamentais. Claro que foram repelidos com sucesso graças à estrutura segura de nossa defesa antiaérea."

Ele adicionou que é necessário perceber que se pode cometer ataques de drones equipados com explosivos feitos à mão. Por isso, acha crucial espalhar e aplicar a experiência da Rússia, em especial na Europa.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas