Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Bases russas não correm risco de ser detectadas por aplicativos, assegura especialista

Não é possível encontrar bases russas usando os aplicativos de fitness, elas não correm nenhum perigo, declarou à Sputnik o analista militar Viktor Murakhovsky.


Sputnik

O jornal The Verge havia informado mais cedo que os dados das bases militares e outras estruturas potencialmente secretas em todo o mundo surgiram em acesso aberto na Internet no mapa interativo Global Heat Maps do aplicativo esportivo para smartphones Strava, que mostra onde estão os usuários. Como destaca a matéria do The Verge o aplicativo mostra também a deslocação dos militares norte-americanos na Síria, Iraque e outras áreas.


Militares na base russa na Abkházia durante exercícios antiterroristas
Militares russos na base militar de Abkházia © Sputnik/ Ilona Hvartskiya

"Isto de jeito nenhum pode afetar a segurança das bases russas, pois o uso de tais dispositivos é proibido, não apenas aplicativos, mas o uso de smartphones comerciais é proibido. Não se usam estas coisas durante o serviço, operações ou treinamentos", destacou o analista.

As bases norte-americanas que já foram detectadas através do aplicativo podem se tornar alvo de novos ataques terroristas, opina Murakhovsky.

"Em primeiro lugar, isto pode alimentar ataques terroristas. [As bases] viram alvos para ataques terroristas, especialmente nas áreas onde estão tropas norte-americanas. Estou falando do Afeganistão, Iraque, Síria…tal desorganização nos surpreende: como é possível não se cumprirem as exigências de segurança cibernética e radioeletrônica?", pergunta o especialista russo.


Postar um comentário