Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Cessar-fogo com rebeldes colombianos da ELN expira e conversas continuam

Um cessar-fogo entre rebeldes marxistas do Exército de Libertação Nacional (ELN) e o governo da Colômbia expirou à meia-noite de terça-feira, antes do início de uma nova rodada de conversas que se espera possa renovar o pacto.


Reuters

BOGOTÁ (Reuters) - O ELN e o governo têm realizado conversas de paz em Quito, capital do Equador, desde o início do ano passado, em uma tentativa de acabar com mais de 53 anos de confrontos. As negociações devem começar novamente nesta quarta-feira.


Resultado de imagem para Rebelde do Exército de Libertação Nacional (ELN)
Rebelde do Exército de Libertação Nacional (ELN) posa para foto na Colômbia 31/08/2017 REUTERS/Federico Rios

O primeiro cessar-fogo do grupo, que começou em outubro, terminou sem ser estendido, conforme problemas logísticos impediram que os dois lados se encontrassem no horário programado na segunda-feira, informou o governo.

O ELN tem dito que não está disposto a estender a trégua sob os termos originais e quer a elaboração de um novo acordo. O presidente de centro-direita Juan Manuel Santos não disse se irá realizar uma ofensiva imediata contra o grupo agora que o cessar-fogo terminou.

Durante o cessar-fogo, assinado em 4 de setembro, o grupo insurgente prometeu suspender sequestros, ataques em estradas e instalações de petróleo, uso de minas e recrutamento de menores. Em troca, o governo concordou em melhorar proteção para líderes comunitários e condições para cerca de 450 rebeldes presos.

A ELN, de dois mil membros e que frequentemente ataca com explosivos instalações petrolíferas e realiza sequestros, entrou em confronto com outros grupos armados durante a suspensão de hostilidades.

Fundado por padres católicos radicais em 1964, o ELN buscou paz com o governo antes, mas houve pouco progresso. O ELN é considerado um grupo terrorista pelos Estados Unidos e pela União Europeia.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas