Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia acionará judicialmente os EUA, caso entregas dos F-35 sejam bloqueadas

Segundo o porta-voz do presidente turco, Ibrahim Kalin, a Turquia recorrerá a medidas jurídicas caso as entregas dos F-35 sejam bloqueadas pelos EUA.
Sputnik

Ibrahim Kalin citou para a mídia turca que "não é nada fácil rescindir este contrato, somos parte de um contrato multilateral, cumprimos com todas as exigências e pagamos, caso os EUA não cumpram, recorreremos à lei".

O Congresso americano decidiu recentemente suspender as entregas dos caças americanos de quinta geração F-35 à Turquia devido aos planos de Ancara de adquirir o sistema de defesa antiaérea russo S-400, além de ameaçá-la com sanções em diversas ocasiões, como citado em artigo da Sputnik Mundo.

O avançado sistema antiaéreo S-400 Triumph (SA-21 Growler, na classificação da OTAN) é capaz de abater alvos aéreos com tecnologia furtiva, mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos táticos e táticos-operacionais, tem um alcance de até 400 km e pertence à geração 4+, sendo duas vezes mais eficaz que seus antecessores.

Os se…

Chanceler turco: é cedo para discutir com EUA zona de segurança no norte da Síria

O ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, qualificou de "precipitada" a iniciativa norte-americana de criar uma zona de segurança no norte da Síria, junto à fronteira com a Turquia.


Sputnik

"Tem havido um declínio de confiança recíproca [entre a Turquia e os EUA]. Até que esta seja recuperada, até que certos passos sejam tomados para restabelecê-la, acho incorreto discutir sobre uma zona de segurança", disse o ministro turco, citado pelo jornal Yeni Safak.


Tanque turco durante uma operação perto da fronteira com a Síria
Tanque turco na fronteira com a Síria © AP Photo/ IHA via AP

Ontem (24), o chanceler turco revelou que Washington havia proposto a Ancara estabelecer uma zona de segurança de 30 quilômetros no norte da Síria para evitar confrontos entre as forças turcas e as norte-americanas.

Em 20 de janeiro, Ancara e seus aliados do Exército Livre da Síria lançaram a operação Ramo de Oliveira contra os grupos armados curdos e organizações terroristas na cidade de Afrin (província de Aleppo).
A operação está sendo realizada contra os grupos jihadistas e as Unidades de Proteção Popular (YPG).

Para Turquia, as YPG são uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, proibido no país por ser considerado uma organização terrorista.

Damasco condenou a operação turca em Afrin, sublinhando que a região é parte inalienável do território sírio.

A Casa Branca, por sua vez, comentando a recente conversa telefônica entre Donald Trump e Recep Tayyip Erdogan, afirmou que o líder estadunidense solicitou que as autoridades turcas "limitassem suas atividades militares em Afrin". No entanto, os turcos contestaram a veracidade do comunicado.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas