Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Coalizão dos EUA matou até 6.000 civis no Iraque e na Síria em 2017

De 3.900 a 6.100 civis da Síria e do Iraque morreram em 2017 devido a ataques da coalizão liderada pelos Estados Unidos, disse o grupo britânico de análise e monitoramento AirWars (AMG).


Sputnik

"Devido aos ataques aéreos e de artilharia da coalizão, o número de mortes entre os não participantes em operações de combate aumentou em mais de 200% em 2017 em relação a 2016, e estava entre 3.923 e 6.102", informou o site da AMG.


Iraque, militares iraquianos observam ataque aéreo da coalizão liderada pelos EUA às posições do Daesh em Fallujah
Militares iraquianos observam ataque aéreo da coalizão liderada pelos EUA em Fallujah © AP Photo/ Rwa Faisal

O grupo também relatou que o número de feridos cresceu 55%, bem como descobriu que o aumento do número de mortes entre civis devido a ataques da coalizão coincidiu com a diminuição da atividade militar russa na Síria.

O Comando Central dos EUA revelou, no final de dezembro, que pelo menos 817 civis foram mortos sem premeditação desde o início da operação na Síria e no Iraque e que outras 603 mortes estão sendo investigadas.

A coalizão com os EUA à frente está levando a cabo desde 2014 uma operação militar na Síria e no Iraque — sem o consentimento de seus governos — contra o grupo terrorista Daesh.

O grupo britânico de análise e monitoramento AirWars é uma organização sem fins lucrativos que segue a atividade aérea de vários países no Iraque, Síria e Líbia. A entidade é financiada por doações voluntárias e por organizações de caridade.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas