Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Como militares russos combatem drones?

Base aérea russa na Síria foi atacada na semana passada, mas conseguiu repelir investida com auxílio de armamentos superpoderosos.


Nikolai Litôvkin | Russia Beyond

Na última sexta-feira (5), ocorreu um ataque com veículos aéreos não tripulados (VANT) contra a base aérea militar russa na cidade de Khmeimim, na Síria, onde estão localizados os aviões militares mais modernos das Forças Aeroespaciais russas, incluindo os caças Su-35S e bombardeiros estratégicos Su-34.


Os sistemas antiaéreos russos conseguiram, porém, repelir o ataque, efetuado por 13 drones armados com explosivos.

Isto porque o novo sistema de defesa da base na Síria pode derrubar os mais modelos mais modernos de aviões de combate e mísseis balísticos, assim como “desligar” os VANTs.

Máquinas de guerra silenciosas

De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, seis drones foram capturados em funcionamento por sistemas radio-eletrônicos que protegem a base aérea de Khmeimim.

Resultado de imagem para Krasukha-4
O Krasukha-4 é um veículo radio-eletrônico que pode desligar sistemas computacionais mesmo dos equipamentos militares mais modernos | Pavel Lisitsyn/Sputnik

Esses equipamentos cobrem a base com um escudo eletrônico invisível ao olho humano que desliga os sistemas de controle de fogo, comunicação e navegação dos veículos aéreos do inimigo.

Um desses sistemas é conhecido como Krasukha-4, e lança um véu eletrônico sobre os VANTs a uma distância de até 250 km. Segundo o Ministério, durante o ataque de 5 de janeiro, o Krasukha-4 cegou diversos drones que atacavam a base russa.

Defesa devastadora

Três outros drones foram derrubados pelo sistema de defesa aérea de médio alcance terra-ar Pantsir-S1. Esses sistemas disparam projéteis de calibre de 30 mm que podem perfurar a blindagem de aviões militares.

Resultado de imagem para pantsir s-1
O Pantsir-S1 é um sistema antimíssil que o Brasil negocia há anos | Reprodução

O Pantsir-S1 dispara até 5.000 balas por minuto, mas os barris precisam ser trocados a cada 8.000 tiros. Assim, a manutenção do sistema não é barata.

O Brasil negocia a compra de um lote dos sistemas Pantsir-S1 russos desde 2013, mas o contrato ainda não foi assinado.

Armamentos contra VANTs alternativos

Não são apenas as Forças Armadas russas que estão desenvolvendo alternativas mais baratas para combater drones. Os Estados Unidos, França, Alemanha, China e Índia também se empenham na criação de armamentos que permitam desarmar os VANTs sem gastar milhões de dólares.

No ano passado, as Forças Armadas russas receberam duas novas armas projetadas especificamente para combater os drones: o REX-1 e o Stupor.

Resultado de imagem para REX-1
O REX-1 é um dos primeiros rifles eletromagnéticos russos que pode combater drones armados | RT

“A arma radiomagnética REX-1 obstrui os canais de comando e controle dos drones mais usados no mundo. Também foram instaladas nela diversas unidades eletromagnéticas e infravermelhas intercambiáveis que bloqueiam os sinais GSM, GPS, Glonass, Galileo [os últimos três são sistemas de navegação por satélite] e outros canais”, disse ao Russia Beyond Nikita Khamitov, chefe do departamento de projetos especiais do grupo Zala Aero, que desenvolveu o armamento e faz parte do Consórcio Kalashnikov.

Além disso, a arma é capaz de operar continuamente por quatro horas. “Ela pode então ser recarregada por quatro horas usando uma tomada comum de 220 volts, ou conectada a uma bateria adicional para uso ininterrupto”, explica Khamitov.

Geralmente, os drones têm dois modos por padrão no caso de perda de comunicação com a base: ou retornam ao ponto de partida, ou aterrissam automaticamente.

“Caso ocorra a segunda opção, o drone desaparece dos radares inimigos e nós temos um novo brinquedo nas mãos”, acrescenta Khamitov.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas