Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: exército sírio parou de avançar para Afrin

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou que as tropas do governo sírio deixaram de avançar para a cidade de Afrin "após consultas", realizadas pelo líder turco nesta segunda-feira.
Sputnik

As tropas do governo sírio "foram realmente detidas ontem (segunda-feira)", afirmou Erdogan, segundo a agência de notícias Anadolu. Segundo o chefe de Estado, isso aconteceu "após consultas". No entanto, Erdogan não especificou à que consultas estaria se referindo.


Nesta segunda-feira, o líder turco discutiu a situação em Afrin durante conversa telefônica com seus homólogos russo e iraniano, Vladimir Putin e Hassan Rouhani.

Erdogan também afirmou que as milícias pró-governo que tentaram entrar em Afrin nesta terça-feira, e que foram repelidas pelas tropas turcas, o fizeram por iniciativa própria.

"A milícia síria decidiu entrar em Afrin por conta própria. Isso é inaceitável e não ficará sem resposta", alertou Erdogan.

Anteriormente, a imprensa infor…

Contra 'ameaça russa', Dinamarca investirá R$6,7 bi em gastos militares adicionais

Parlamentares dinamarqueses concordaram neste domingo (28) em alocar um adicional de 12,8 bilhões de coroas (US$ R$6,7 bi) para gastos militares durante os próximos seis anos, citando a Rússia como uma das maiores ameaças à sua segurança.


Sputnik

"A ameaça da Rússia é real e está aumentando, precisamos mostrar determinação com a defesa", disse o primeiro-ministro Lars Lokke Rasmussen em comunicado citado pela agência de notícias Reuters.


Banderas de Dinamarca
Bandeiras da Dinamarca © flickr.com/ Bobby Hidy

O país vai estabelecer uma brigada militar formada por 4 mil homens e posicionada no Mar Báltico. Para 2018, o orçamento com gastos militares será de 22 bilhões de coroas (R$11,57 bi), valor que subirá gradativamente até 2023, quando o país espera gastar 20% acima dos níveis atuais.

O ministro das Relações Exteriores, Anders Samuelsen também divulgou comunicado em que cita as preocupações da Dinamarca com segurança.

"O cenário de ameaça internacional é muito sério. Uma Rússia mais assertiva perto das fronteiras da OTAN, o terrorismo, ameaças cibernéticas e fluxos irregulares de migrantes são coisas com as quais precisamos lidar".

A Rússia moveu em 2016, mísseis Iskander-M com capacidade nuclear para o enclave de Kaliningrado, no Mar Báltico. Um sistema de defesa de mísseis aéreos também foi instalado na região. À época, Moscou argumentou que o deslocamento foi motivado pela "necessidade de defender fronteiras russas diante da expansão militar por parte da OTAN", nas palavras do porta-voz da presidência da Rússia, Dmitry Peskov.


Postar um comentário