Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Doutrina americana pode permitir uso de armas nucleares como resposta a ataque cibernético

Ataques cibernéticos que ameaçam os EUA podem ser enfrentados com retaliação nuclear, informou o The New York Times. O uso de armas nucleares costumava ser restrito a um grupo pequeno de situações, como para responder um ataque de armas biológicas.


Sputnik

No ano passado, o presidente dos EUA, Donald Trump, encomendou a produção de uma nova doutrina nuclear norte-americana. As versões preliminares do documento exigem um aumento maciço de estoques de armas nucleares, o desenvolvimento de ogivas nucleares de baixo rendimento e mísseis de cruzeiro com armas nucleares para uso dos submarinos da Marinha dos EUA.


In this photo taken April 21, 2017, President Donald Trump looks out an Oval Office window at the White House in Washington following an interview with The Associated Press
Donald Trump na sala oval da Casa Branca © AP Photo/ Andrew Harnik

O uso de armas nucleares foi reservado apenas para os cenários mais extremos sob a política típica dos EUA. O projeto do novo código amplia a definição de circunstâncias extremas para "incluir tentativas de destruir infraestruturas de grande alcance, como a rede elétrica ou as comunicações de um país, que seriam mais vulneráveis ​​às células cibernéticas", observa o jornal.

A nova política coloca adequa o uso de armas nucleares "a avaliação realista das ameaças que enfrentamos hoje e as incertezas quanto ao futuro ambiente de segurança", afirma o projeto.

A versão ainda não foi aprovada pelo presidente. O Pentágono afirmou que a estratégia, publicada pela primeira vez pelo Huffington Post, ainda era um rascunho e carecia de uma decisão de Trump.

"Quase tudo sobre essa nova e radical política vai deixar o limite entre o uso de armas nucleares e convencionais mais borrado", avaliou Andrew Weber, ex-secretário assistente do Pentágono. Se Trump aprovar a estratégia, "tornará a guerra nuclear muito mais provável", completou o analista.


Comentários

Postagens mais visitadas