Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

Em discurso de Ano Novo, líder norte-coreano diz que mantém 'botão nuclear' na mesa, mas oferece diálogo

O líder norte-coreano Kim Jon-un manteve o tom de ameaça aos Estados Unidos em seu pronunciamento de Ano Novo, ao dizer que sempre tem à mesa um "botão nuclear". Mas, no mesmo discurso, ele também se disse aberto ao "diálogo" com a Coreia do Sul.


BBC Brasil

No pronunciamento televisionado, ele voltou a dizer que a Coreia do Norte já tem tecnologia para atingir todo o território dos Estados Unidos com mísseis e que, por isso, Washington nunca começaria uma guerra.

"Essa é a realidade, não uma ameaça", afirmou.

Pessoas assitem a discurso de Ano Novo de líder norte-coreano
Discurso de Ano Novo de Kim Jon-un trouxe, ao mesmo tempo, ameaça e oferta de diálogo | GETTY IMAGES

Kim Jon-un destacou, porém, que só apertaria o botão nuclear, se a segurança da Coreia do Norte estivesse ameaçada e se disse disposto a conversar com a Coreia do Sul.

Ele informou, por exemplo, que considera enviar uma delegação de atletas para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, que serão sediados no país vizinho, em Fevereiro.

A Coreia do Sul sempre defendeu que a participação da Coreia do Norte nos Jogos ajudaria a aliviar a tensão entre os dois países.

O presidente dos Estados Unidos foi perguntado por repórteres sobre a fala de Kim Jon-un, mas não quis comentar. "Vamos ver, vamos ver", disse ele, durante a celebração do Ano Novo no resort Mar-a-Lago, na Flórida.

Sanções e ameaça nuclear

A Coreia do Norte foi alvo constante de críticas e sanções no ano passado, por seu programa nuclear e os testes com mísseis que realizou.

Kim Jon-un conduziu seis testes em 2017 que demonstraram os avanços tecnológicos das armas nucleares norte-coreanas.

Em novembro, foi lançado o Hwasong-15, que voou 900 km e alcançou 4 mil km de altitude, o que representa a maior altura atingida até hoje por um projétil norte-coreano.

A Coreia do Norte alega que já têm um arsenal nuclear completo e pronto para ser utilizado, embora ainda haja ceticismo internacional sobre a verdadeira capacidade de o país lançar um ataque efetivo.

No seu pronunciamento de Ano Novo, Kim Jon-un enfatizou o foco do governo no programa nuclear e disse que seu país precisa ser "um produtor em massa de ogivas e mísseis balísticos".

Tom mais ameno com a Coreia do Sul

Mas Kim Jon-un também indicou que existe espaço para melhorar o relacionamento com a Coreia do Sul - país com o qual a Coreia do Norte ainda se encontra tecnicamente em guerra.

"O ano de 2018 é significativo tanto para o Norte quanto para o Sul, com a Coreia do Norte comemorando seu aniversário de 70 anos e a Coreia do Sul sediando as Olimpíadas de Inverno", ressaltou.

"Devemos derreter as congeladas relações entre a Coreia do Norte e Coreia do Sul, fazendo com que este ano tão significativo seja especialmente lembrado na história da nação."

O aceno à Coreia do Sul marca uma mudança de tom, após um ano de retórica particularmente agressiva da Coreia do Norte.

No mês passado, o presidente sul-coreano Moon Jae-in sugeriu adiar um treinamento militar anual conjunto com tropas norte-americanas até o final dos Jogos de Inverno.

A Coreia do Norte costuma classificar esses treinamentos como exercícios de preparação para a guerra.

"A participação da Coreia do Norte nos Jogos Olímpicos de Inverno será uma boa oportunidade para mostrar união e desejamos que os jogos sejam um sucesso", disse Kim Jon-un.

"Autoridades das duas Coreias devem se reunir urgentemente para discutir essa possibilidade", acrescentou.

Os dois únicos atletas norte-coreanos qualificados para disputar os jogos são os patinadores Ryom Tae-Ok e Kim Ju-Sik.

A Coreia do Norte perdeu o prazo oficial para a confirmar a participação de uma delegação, mas os dois ainda poderiam competir a convite do Comitê Olímpico Internacional.

O presidente dos Jogos de PyeongChang, Lee Hee-beom, disse à agência sul-coreana de notícias Yonhap que estava satisfeito em saber da disposição da Coreia do Norte em participar do campeonato.

"O comitê recebe entusiasticamente (a notícia). É como um presente de Ano Novo", disse.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas