Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Erdogan ameaça atacar milícias curdas da Síria 'a qualquer momento'

O presidente da Turquia, o islamita Recep Tayyip Erdogan, ameaçou nesta segunda-feira lançar uma operação militar "a qualquer momento" nas regiões sírias de Afrin e Manbij, em mãos de milícias curdas aliadas aos EUA, país ao qual acusou de estar "criando um Exército terrorista" na fronteira.


EFE

"As Forças Armadas turcas resolverão o problema de Afrin e Manbij. Os preparativos já estão completos. A operação pode começar a qualquer momento", disse Erdogan em um discurso em Ancara.


Recep Tayyip Erdogan em foto de 9 de janeiro. EFE/ cedida pelo governo turco
Recep Tayyip Erdogan em foto de 9 de janeiro. EFE/ cedida pelo governo turco

Tanto o cantão curdo de Afrin, no noroeste da Síria e fronteiriço com a Turquia, como a região de Manbij, ao oeste do rio Eufrates, estão dominados pelas milícias curdas Unidades de Proteção Popular (YPG), aliadas de Washington contra o jihadista Estado Islâmico (EI), mas que Ancara considera "terroristas".

Ancara vê essas milícias como uma mera filial da guerrilha curda da Turquia, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

As Forças Armadas turcas deslocaram tanques e tropas à fronteira com Afrin e a artilharia atacou nos últimos dias posições das YPG.

Erdogan também criticou com dureza os planos dos EUA para armar as milícias curdo-sírias com o objetivo de criar uma nova força de 30 mil soldados que será desdobrada em zonas fronteiriças com a Turquia e o Iraque.

Nesse projeto para criar uma guarda fronteiriça cooperariam as Forças da Síria Democrática (FSD) - das quais a YPG é o componente principal -, a Coalizão internacional antijihadista e os EUA.

"OS EUA agora admitem que estão criando um Exército terrorista ao longo da nossa fronteira. O que temos que fazer é acabar com esse exército antes que nasça", assegurou Erdogan, que insistiu que seu país limpará de "terroristas" os 900 quilômetros de fronteira com a Síria.

Erdogan acrescentou que seu país "baterá com dureza" em qualquer força que ameace a Turquia.

Os curdos e outras minorias do norte da Síria autoproclamaram um sistema federal nas zonas sob o domínio das FSD, um projeto que causa receio em Ancara porque poderia avivar tensões na própria minoria curda na Turquia.


Comentários

Postagens mais visitadas