Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Jornal alemão iguala Bundeswehr à 'armazém de peças de reposição'

Bundeswehr (Forças Armadas da Alemanha) está em profunda crise, enfrentando uma grave falta de investimento, noticia o Suddeutsche Zeitung.
Sputnik

Segundo o jornal, 20% dos candidatos a cargos oficiais abandonam o serviço nos primeiros seis meses e a seleção de 8.500 voluntários previstos no plano para o serviço militar vem enfrentando mais e mais dificuldades com o passar dos anos.

Na lista dos problemas, a maior preocupação corresponde ao financiamento do exército alemão. Segundo a publicação, o orçamento da defesa para 2018, no valor de 38,5 bilhões de euros (R$ 170,9 bilhões) parece suficiente apenas à primeira vista — o exército não tem dinheiro suficiente. Metade do orçamento é usada para suprir as necessidades dos oficiais, uns 18% são destinados aos custos operacionais e apenas 13% do orçamento é investido nas compras de defesa.

Em particular, a publicação observa uma redução acentuada no número de tanques de 4.500 no final da Guerra Fria para 225 unidades. O dinheiro investido é…

Erdogan ameaça atacar milícias curdas da Síria 'a qualquer momento'

O presidente da Turquia, o islamita Recep Tayyip Erdogan, ameaçou nesta segunda-feira lançar uma operação militar "a qualquer momento" nas regiões sírias de Afrin e Manbij, em mãos de milícias curdas aliadas aos EUA, país ao qual acusou de estar "criando um Exército terrorista" na fronteira.


EFE

"As Forças Armadas turcas resolverão o problema de Afrin e Manbij. Os preparativos já estão completos. A operação pode começar a qualquer momento", disse Erdogan em um discurso em Ancara.


Recep Tayyip Erdogan em foto de 9 de janeiro. EFE/ cedida pelo governo turco
Recep Tayyip Erdogan em foto de 9 de janeiro. EFE/ cedida pelo governo turco

Tanto o cantão curdo de Afrin, no noroeste da Síria e fronteiriço com a Turquia, como a região de Manbij, ao oeste do rio Eufrates, estão dominados pelas milícias curdas Unidades de Proteção Popular (YPG), aliadas de Washington contra o jihadista Estado Islâmico (EI), mas que Ancara considera "terroristas".

Ancara vê essas milícias como uma mera filial da guerrilha curda da Turquia, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

As Forças Armadas turcas deslocaram tanques e tropas à fronteira com Afrin e a artilharia atacou nos últimos dias posições das YPG.

Erdogan também criticou com dureza os planos dos EUA para armar as milícias curdo-sírias com o objetivo de criar uma nova força de 30 mil soldados que será desdobrada em zonas fronteiriças com a Turquia e o Iraque.

Nesse projeto para criar uma guarda fronteiriça cooperariam as Forças da Síria Democrática (FSD) - das quais a YPG é o componente principal -, a Coalizão internacional antijihadista e os EUA.

"OS EUA agora admitem que estão criando um Exército terrorista ao longo da nossa fronteira. O que temos que fazer é acabar com esse exército antes que nasça", assegurou Erdogan, que insistiu que seu país limpará de "terroristas" os 900 quilômetros de fronteira com a Síria.

Erdogan acrescentou que seu país "baterá com dureza" em qualquer força que ameace a Turquia.

Os curdos e outras minorias do norte da Síria autoproclamaram um sistema federal nas zonas sob o domínio das FSD, um projeto que causa receio em Ancara porque poderia avivar tensões na própria minoria curda na Turquia.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas