Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Temos armas hipersônicas': Rússia dará resposta à saída dos EUA do Tratado INF, diz Putin

A Rússia não deixará a decisão dos Estados Unidos de retirar-se unilateralmente do tratado de armas nucleares sem resposta, garantiu o presidente russo Vladimir Putin, acrescentando que o país não precisa se unir a outra corrida armamentista.
Sputnik

Moscou ainda está pronta para continuar dialogando com Washington sobre o tratado bilateral que proíbe os mísseis de médio alcance, que se tornou uma das pedras angulares do desarmamento nuclear, disse o líder russo em uma reunião do governo em Sochi. Ainda assim, os EUA devem "tratar esta questão com total responsabilidade", disse o presidente, acrescentando que a decisão de Washington de retirar-se do acordo "não pode e não ficará sem resposta".


Estas não são ameaças vazias, advertiu Putin. Ele disse que a Rússia já havia advertido os EUA contra a saída do tratado ABM que regulamenta os sistemas de mísseis e avisou Washington sobre possíveis retaliações. "Agora, temos armas hipersônicas capazes de penetrar qualquer…

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.


Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Processo de testes nucleares nos EUA
Teste nuclear dos EUA © Foto: YouTube/Laboratório Nacional de Lawrence Livermore

Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposição como "demasiado grande e forte" para aplicar na prática. Segundo o órgão, isso é reconhecido por outros países, inclusive a Rússia. Seguindo o mesmo raciocínio, ogivas de potência menor fariam os outros países acreditar mais na possibilidade do seu uso.

Nem todos, no entanto, concordam com o projeto. O ex-conselheiro do presidente Barack Obama para controle de armamentos, Jon Wolfsthal, classificou o documento de "esquizofrênico".

"Se fundamenta no desejo de ampliar a contenção fazendo os outros a acreditar que os EUA podem usar as armas nucleares primeiro", disse o especialista.

Segundo ele, a nova doutrina aumenta o risco de uma guerra, pois os EUA terão "mais possibilidades e ficarão mais tentados a usar" as armas nucleares.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas