Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.


Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Processo de testes nucleares nos EUA
Teste nuclear dos EUA © Foto: YouTube/Laboratório Nacional de Lawrence Livermore

Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposição como "demasiado grande e forte" para aplicar na prática. Segundo o órgão, isso é reconhecido por outros países, inclusive a Rússia. Seguindo o mesmo raciocínio, ogivas de potência menor fariam os outros países acreditar mais na possibilidade do seu uso.

Nem todos, no entanto, concordam com o projeto. O ex-conselheiro do presidente Barack Obama para controle de armamentos, Jon Wolfsthal, classificou o documento de "esquizofrênico".

"Se fundamenta no desejo de ampliar a contenção fazendo os outros a acreditar que os EUA podem usar as armas nucleares primeiro", disse o especialista.

Segundo ele, a nova doutrina aumenta o risco de uma guerra, pois os EUA terão "mais possibilidades e ficarão mais tentados a usar" as armas nucleares.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas