Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Novas incursões sauditas matam 5 civis iemenitas em Hudaydah

Pelo menos cinco civis foram mortos e vários outros ficaram feridos quando caças da Arábia Saudita realizaram uma série de ataques aéreos contra um bairro residencial na província costeira de Hudaydah, no Iêmen, enquanto o regime de Riad continua com sua campanha de bombardeio contra seu vizinho empobrecido.
Pars Today

Fontes locais, falando sob condição de anonimato, disseram à rede de televisão al-Masirah que aviões militares sauditas lançaram três ataques aéreos contra uma área no distrito de al-Hali, localizada a 150 quilômetros a sudoeste da capital Sana, na quinta-feira. tarde.


As fontes acrescentaram que cinco pessoas perderam a vida nos ataques, enquanto outras sofreram ferimentos.

Durante o dia, aviões de guerra sauditas atingiram o aeroporto de Sa'ada e a base militar de Kahlan, situada a 3 quilômetros a nordeste da cidade montanhosa do noroeste de Saada, com bombas de fragmentação.

EUA dão luz verde a Israel para eliminar lendário general iraniano, diz mídia

Os serviços de inteligência norte-americanos deram luz verde a Israel para eliminar o general iraniano Qassem Soleimani, informou a mídia israelense.


Sputnik

Durante os últimos 20 anos o general encabeça a Força Quds — unidade do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica iraniano especializada em operações militares e secretas no exterior.


Os policiais israelenses protegem a área onde um palestino esfaqueou dois judeus israelenses antes que ele foi morto a tiros fora da Cidade Velha de Jerusalém.
Policiais israelenses na cidade velha de Jerusalém © REUTERS/ Ronen Zvulun

Soleimani liderou as operações militares no Líbano, na Síria e no Iraque. Segundo a mídia, o general é uma figura-chave que tem apoiado o presidente da Síria, Bashar Assad, na luta contra os grupos rebeldes durante a guerra civil.

Além disso, o oficial presta assistência aos movimentos libanês Hezbollah e palestino Hamas, ambos considerados terroristas em Israel.

Há três anos, os militares israelenses estiveram a ponto de eliminar Qassem Soleimani, informa o portal israelense The Times of Israel, mas o governo norte-americano travou seus aliados. Naquele tempo a administração Obama tinha como objetivo estabelecer um acordo nuclear com o Irã e, por isso, optou por fechar os olhos às atividades de supostas organizações terroristas apoiadas pelo Irã, segundo fontes citadas pela mídia israelense.

O povo iraniano considera o general Soleimani uma das principais figuras na guerra Irã-Iraque, após a qual ele passou a liderar o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, organização militar de elite iraniana, que lutou contra o terrorismo na Síria e Iraque.

Agora, as administrações norte-americana e israelense partilham a mesma posição em relação ao Irã. Mais cedo, a imprensa divulgou informações de que os EUA e Israel assinaram um memorando de entendimento conjunto que estabeleceu as bases para uma cooperação destinada à contenção da influência iraniana no Oriente Médio, nomeadamente no que se refere ao seu programa de mísseis, programa nuclear e outras atividades.

A fonte, citada pela mídia israelense, indica que o assassinato de Soleimani corresponderia aos interesses de ambos os países e que as autoridades dos EUA teriam dado luz verde para que Israel o levasse a cabo.


Postar um comentário