Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

EUA e Coreia do Sul adiam manobras militares conjuntas

Data de início de exercício anual coincidiria com Jogos Olímpicos de Inverno realizados na Coreia do Sul. Adiamento é anunciado após sinais de aproximação entre Seul e Pyongyang.


Deutsch Welle

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul concordaram nesta quinta-feira (04/01) em adiar as manobras militares anuais conjuntas para depois dos Jogos Olímpicos de Inverno, marcados para fevereiro no condado sul-coreano de PyeongChang. A decisão ocorre num momento de aproximação entre Seul e Coreia do Norte.


Exercício militar conjunto entre Seul e Washington em Pohang em abril de 2017
Exercícios militares conjuntos entre Seul e Washington acontecem anualmente. Na foto, vê-se uma das manobras de 2017

A decisão foi tomada depois de o líder norte-coreano, Kim Jong-un, expressar seu desejo de participar dos Jogos Olímpicos de Inverno, que serão realizados entre os dias 9 e 25 de fevereiro, e a Coreia do Norte restabelecer as linhas de comunicação com a Coreia do Sul, após quase dois anos de interrupção.

A data dos Jogos Olímpicos de Inverno coincidiria com a de costume do início dos exercícios militares conjuntos de Seul e Washington, conhecidos como Foal Eagle e realizados entre fevereiro e abril. Essas manobras consistem numa série de exercícios destinados a testar a prontidão das forças militares de ambos os países.

"Acredito que ajudaria muito para assegurar o sucesso dos Jogos de Inverno de PyeongChang que o senhor mostrasse a intenção de atrasar os exercícios durante o evento", disse o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, a seu homólogo norte-americano, Donald Trump, segundo nota divulgada por Seul.

Trump concordou, então, em adiar as manobras e disse a Moon que pode comunicar a Pyongyang que não haverá "guerra" durante a reunião esportiva.

"Manteremos um estrito contato com os EUA durante o processo de diálogo entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte e temos certeza que esse diálogo ajudará a criar uma atmosfera para o diálogo entre EUA e Coreia do Norte para que o tema nuclear possa ser resolvido", acrescentou Moon.

Trump assegurou que Washington facilitará toda a ajuda necessária para que Seul e Pyongyang dialoguem e disse que "os Estados Unidos apoiam o presidente Moon Jae-in 100%".

Com relação à ajuda para promover os Jogos de PyeongChang, o presidente americano se comprometeu a enviar à reunião olímpica uma delegação de alto nível na qual estariam incluídos membros de sua família.

"O Departamento de Defesa apoia a decisão do presidente e o que é no melhor interesse da aliança Coreia do Sul e Estados Unidos", confirmou o porta-voz do Pentágono, Rob Manning, numa referência ao tratado de defesa assinado entre Washington e Seul.

Sinais de aproximação

Seul já havia pedido, no final de 2017, a Washington que considerasse o adiamento dos exercícios para evitar que o regime norte-coreano, que costuma considerar essas manobras um ensaio para invadir seu território, respondesse realizando um novo teste balístico.

Seul respondeu aos gestos de Pyongyang propondo conversas de alto nível em 9 de janeiro para tratar a possível participação do Norte na reunião esportiva, ainda que o regime norte-coreano não tenha se pronunciado a este respeito. A proposta, no entanto, foi seguida pelo restabelecimento das linhas de comunicação direta entre os países.

A aproximação entre ambas as partes pode contribuir para aliviar a tensão após os testes nucleares de Pyongyang e as beligerantes respostas de Donald Trump que marcaram 2017.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas