Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

OTAN se prepara para maiores exercícios militares desde 2002

A OTAN está se preparando para realizar seus maiores exercícios militares desde 2002. Trata-se dos Trident Juncture 2018, dos quais participarão mais de 40.000 militares de 30 países membros e parceiros da OTAN.
Sputnik

A fase principal das manobras irá ser realizada entre os dias 25 de outubro e 7 de novembro, na Noruega e áreas vizinhas, com exercícios preliminares nas águas ao largo da costa da Islândia de 15 a 17 de outubro.

Defender-se contra 'qualquer ameaça em qualquer momento'

O objetivo dos exercícios é a dissuasão e defesa contra "qualquer ameaça, de qualquer lugar e em qualquer momento", explicou nesta semana o almirante da Marinha dos EUA a jornalistas em Bruxelas, James G. Foggo III, comandante dos exercícios.

O militar revelou que os Trident Juncture mostram que a OTAN está unida e pronta para se defender valendo-se da defesa coletiva. Neste sentido, o cenário dos exercícios inclui uma violação da soberania de um aliado da OTAN, neste caso da Noruega.

Ao mesm…

EUA irão combater presença do Irã na Síria com sanções agressivas

Os EUA planejam usar sanções agressivas para diminuir a influência do Irã na Síria e remover tropas apoiadas pelos iranianos do país, disse nesta quinta-feira (11) o representante do Departamento de Estado norte-americano, David Satterfield em um depoimento para o Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA.


Sputnik

Quando questionado como os EUA irão remover as tropas iranianas da Síria, Satterefield disse, "Senador, é uma combinação de medidas. Primeiro e mais importante serão as sanções agressivas, aplicadas pelos EUA e seus aliados para negar as ferramentas físicas, a habilidade de movimentar ativos e a habilidade de financiar as atividades do Irã".


Ataque de la coalición liderada por EEUU en Siria (archivo)
Ataque da coalizão liderada pelos EUA na Síria © AP Photo/ Maya Alleruzzo

De acordo com Satterfield, Washington e seus aliados não irão ajudar o governo sírio na reconstrução do país se o presidente Bashar Assad estiver no poder.

A comunidade internacional se compromete a a não providenciar ajuda na reconstrução até que esses objetivos — reforma constitucional e eleições supervisionadas pela ONU — sejam atingidos", disse David Satterfield.

Ele ainda afirmou que os Estados Unidos não irão apoiar a conferência de paz síria que será realizada na cidade de Sochi, na Rússia, em que os participantes tentarão criar um caminho em separado do processo de paz de Genebra, da ONU.

"Nossa posição a respeito da Rússia é que não podemos legitimar o processo político alternativo russo, que é independente da ONU, além de não ser apoiado pela organização", disse Satterfield quando perguntado acerca do encontro em Sochi.

Satterfield enfatizou que nem o chefe da ONU nem os EUA aceitarão um processo de paz "como o de Astana" que cria uma alternativa que é "nominalmente parte de genebra mas na prática está sob controle russo, informando Genebra e a ONU apenas quando os resultados estão prontos".

Segundo ele, os Estados Unidos permanecerão na Síria depois do fim dos conflitos para garantir a estabilidade na região e dar assistência a seus aliados.

"Nós iremos permanecer por algumas razões: estabilização e assistência na área vital no nordeste; [e] proteção de nossos aliados das Forças Democráticas sírias, que têm lutado contra o Daesh de forma tão valente na região".

Satterfield explicou que trabalhar para transformar as estruturas políticas para produzir um modelo para o resto da Síria, assim como conter os esforços iranianos em garantir sua presença na região, seriam outras razões para que os EUA tenham decidido continuar na Síria.

Em resposta a um questionamento de como evitar o prospecto de uma 'guerra sem fim', Satterfield disse que as condições para os EUA retirarem suas tropas estão ligadas ao quadro geral da situação na região, e que não há uma data certa para que o país retire suas tropas do local.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas