Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Exército da Turquia lança mais um ataque contra curdos sírios

Exército da Turquia continua atacando os curdos sírios um dia após o início da operação militar em Afrin.


Sputnik


Segundo declarou no sábado (20) uma fonte militar turca, as Forças Armadas da Turquia estão lançando uma nova série de ataques contra a milícia curda na Síria.

O exército turco na fronteira com a Síria
Exército turco na fronteira com a Síria © AP Photo/ Halit Onur Sandal

A Turquia tem estado ameaçando lançar uma operação militar em Afrin desde a semana passada, depois de os EUA terem anunciado sua decisão de começar a treinar forças de segurança na fronteira compostas pelas Forças Democráticas da Síria apoiadas pelos EUA. Essas forças são consideradas por Ancara como um "exército terrorista".

Anteriormente tinha sido informado que as Forças Armadas da Turquia atacaram o território controlado pelas Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas na região síria de Afrin, no noroeste do país. Seus ataques alegadamente atingiram sete povoações e causaram vítimas entre os civis, incluindo uma criança de seis anos que ficou ferida.

Em resposta aos ataques da Turquia, os curdos sírios avisaram que não permitirão que o Exército turco entre livremente na cidade de Afrin em caso de uma possível ofensiva a realizar por Ancara.

Mais cedo nesta semana, milhares dos curdos saíram às ruas em Afrin manifestando-se contra a invasão da Turquia e apelando a ajuda internacional. Ao mesmo tempo, também ocorreram manifestações em outras cidades no norte da Síria.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas